Live Evil
GRAVE DIGGER - Carioca Club (SP)
Live Evil
BORKNAGAR - Teatro Odisseia (RJ)
Live Evil
TSJUDER / PATRIA / JUSTABELI (SP)
Live Evil
BORKNAGAR - Hangar 110 (SP)
Live Evil
ROGER HODGSON (SP)
Rock de Campinas
'Inside Note (Nota Interior)'
Live Evil
LACUNA COIL - Teatro Odisseia (RJ)
Live Evil
THE PRETTY RECKLESS (SP)
Alekto
Coletiva de imprensa
Live Evil
KORZUS / NO WAY / TORTURE SQUAD (SP)
Próxima
Qual banda do cast do Maximus Festival você mais quer ver?
Linkin Park
Prophets of Rage
Slayer
Rob Zombie
Ghost
Five Finger Death Punch
Hatebreed
Böhse Onkelz
Red Fang
Pennywise
Nem Liminha Ouviu
Rise Against
Dead Fish
The Flatliners
Oitão
30 de Março 2017
RSS

01/03/2017
09:13 Live Evil



BELPHEGOR
Manifesto Bar - São Paulo/SP
28 de fevereiro de 2017
Por Valtemir Amler / Fotos: Fernando Pires
 
Pandemônio, segundo o dicionário, quer dizer "grupo de pessoas que se reúne para fazer o mal ou causar tumulto, agitação, bagunça, baderna". Pandemônio, segundo os fãs de heavy metal: "show do Belphegor". Após esta mais nova passagem dos austríacos por São Paulo, nada mais justo do que acrescentar essa nova definição aos dicionários, já que a fúria e o extremismo demonstrado por Helmuth Lehner (vocal e guitarra), Serpenth (baixo e backing vocals), Impaler (guitarra) e “BloodHammer” Schilling (bateria) foi algo totalmente fora do convencional. A começar pela decoração de palco, transformado em um local perfeito para uma missa negra, repleto de crânios humanos e de animais - tudo havia sido programado para causar impacto, o que se comprovou logo na entrada de BloodHammer, que puxou o coro de "Belphegor, Belphegor" na bateria.


 
Já com o time completo em cena, e ovacionados pela plateia, o estrago começou em alta voltagem, com a sempre presente "Intro", seguida por "Bleeding Salvation", faixa do sensacional "Goatreich – Fleshcult", de 2005. Urrando como o demônio, e se aproximando do público para solar, Helmuth ganhou a plateia logo de cara, e dividiria o protagonismo da noite com o baixista Serpenth, que agitava a todo o momento e demonstrava a postura que uma banda de metal extremo deve ter ao vivo.


 
A sequência demolidora seguiu com "Gasmask Terror", do mais recente de estúdio, "Conjuring The Dead" (2014) e "Hell’s Ambassador", de "Pestapocalypse VI" (2006), que teve o seu refrão gritado em volume máximo pela banda e pelo público. Algo de arrepiar e que ficará para sempre na memória dos presentes. "Vocês querem ouvir alguma coisa de 'Lucifer Incestus'?", perguntou Helmuth, que provavelmente quase ensurdeceu com os urros vindos da plateia. Esta foi a deixa para a sequência com "Diaboli Virtus In Lumbar Est" e "Lucifer Incestus", ambas do clássico disco de 2003.


 
Superar a euforia causada por estas parecia tarefa impossível, mas bastaram os primeiros acordes de "Stigma Diabolicum" para que um novo frenesi tomasse o ambiente. Aqui vale ressaltar a garra e a empolgação da banda, que, em meio a uma turnê latino-americana extensa, e em seu terceiro show em três noites (e em três países diferentes!) não dava mostra de cansaço, e executava riff sobre riff com uma firmeza implacável, visivelmente empolgados por essa nova visita ao nosso país algo que não acontecia desde 2014. 


 
A tradicional "Feast Upon The Dead" precedeu um dos momentos mais marcantes do show, quando foi executada a faixa-título do mais recente disco de estúdio dos austríacos, "Conjuring the Dead", quando um grandioso sacerdote satânico adentrou o palco com a indumentária e os aparatos adequados para essa grande celebração negra que ocorria em São Paulo. Extasiados e ao mesmo tempo chocados, os presentes tiveram cada olhar atraído pela grande figura que comandava a missa sobre as caixas de retorno, enquanto uma banda inspiradíssima fazia pragas e conjurações escorrerem em alto volume através dos alto-falantes, um espetáculo a parte, algo que perdurará para sempre na memória. Isso é o verdadeiro death/black metal em sua essência, algo que o Belphegor representa por mais de vinte anos.


 
O jogo já estava ganho, mas isso não impediu o quarteto de esmagar crânios com as fenomenais "Totenbeschwörer, "Totenkult – Exegesis Of Deterioration" e "In Blood – Devour This Sanctity", que pôs fim a noite de forma implacável e sombria. Claro, a banda poderia ter tocado algo do fenomenal "Necrodaemon Terrorsathan" (2000), ou de "Blutsabbath" (1997), que esse ano comemora vinte anos de seu lançamento. Mas não havia espaço para tanto, e ninguém saiu insatisfeito.


 
O público, pequeno para uma banda com a tradição e a importância do Belphegor, não decepcionou, e fez compensar seu tamanho reduzido com uma empolgação e uma paixão que deixou Helmuth extasiado, distribuindo cumprimentos, palhetas e agradecimentos ao público no final da apresentação. Para os presentes, não restou dúvida: não existe maneira mais adequada e definitiva de expurgar os fantasmas do carnaval do que com uma apresentação desse quarteto fenomenal. E nunca uma quarta-feira de cinzas fez tanto sentido. Afinal, só sobrou o pó depois desse pandemônio criado pelo Belphegor em plena terça-feira de carnaval.



Roadie Crew copyrights © 2011 - All Rights Reserved - Todos os Direitos Reservados - Melhor visualizado em 1024x768