Live Evil
NEUROSIS - Carioca Club (SP)
Live Evil
GORGOROTH - Hangar 110 (SP)
Live Evil
HAMMERFALL – Fortaleza/CE
Live Evil
HAMMERFALL - Carioca Club (SP)
Live Evil
DARK DIMENSIONS FOLK FESTIVAL
Live Evil
DELAIN - Manifesto Bar (SP)
Live Evil
ZAKK SABBATH - Carioca Club (SP)
Live Evil
ZAKK SABBATH - Circo Voador (RJ)
Live Evil
SATYRICON - Fabrique (SP)
Live Evil
ACCEPT - Teatro Rival (RJ)
Próxima
Qual o seu álbum preferido do AC/DC?
High Voltage (Austrália)
T.N.T. (Austrália)
High Voltage (Internacional)
Dirty Deeds Done Dirt Cheap
Let There Be Rock
Powerage
Highway to Hell
Back in Black
For Those About to Rock We Salute You
Flick of the Switch
Fly on the Wall
Blow Up Your Video
The Razors Edge
Ballbreaker
Stiff Upper Lip
Black Ice
Rock or Bust
14 de Dezembro 2017
RSS

20/11/2017
17:12 Live Evil



DELAIN   
Manifesto Bar - São Paulo/SP
18 de novembro de 2017
Por Thamy Melo / Fotos: Edu Lawless
 
Em sua terceira visita ao Brasil, o Delain trouxe a turnê do mais recente álbum, "Moonbathers" (2016), aclamado pelos fãs e um de seus melhores trabalhos. O Manifesto Bar, local escolhido para receber um dos grandes nomes atuais do 'female fronted metal', ficou pequeno para a energia dos holandeses, que desta vez viram um público maior se comparado à sua última visita, em 2013, no extinto Inferno Club.


 
Nenhum adjetivo além de “enérgico” poderia definir melhor o show do Delain. Tanto por parte da banda quanto deste público em especial, que, sempre apaixonado e muito receptivo, nunca deixa a desejar em apresentações do estilo. Uma pena que a espera que os separou dos tão queridos ídolos tenha sido nada menos que uma hora de atraso. Sob muita chuva, sem nenhum esclarecimento.

A abertura da casa marcada para as 17h30, e o início do show, para as 19h, mas apenas depois das 18h a fila começou a andar. Mesmo duas horas depois, a fila ainda era volumosa enquanto o Delain subia ao palco, às 20h. Sim, o show começara e ainda havia pessoas do lado de fora. Talvez porque cada criatura que adentra o “Templo do Rock” precisa abrir comanda, impreterivelmente – estratégia que se mostrou bem ineficiente para os pagantes deste tipo de evento.


 
Mas nada pareceu abalar o entusiasmo da galera que recebeu Charlotte Wessels (vocal), Martijn Westerholt (teclado), Timo Somers e Merel Bechtold (guitarras), Otto van der Oije (baixo) e Joey de Boer (bateria) com gritos que encheram o bar e mostraram aos holandeses que eles estavam em casa. Por sua vez, o grupo liderado pela detentora do abdômen mais sarado do metal não poupou energia e deu tudo de si como se estivesse frente a uma arena lotada. “Hands of Gold” e “Go Away” abriram o set que contou com boas escolhas e agradou por percorrer todos os álbuns. “Estamos feliz de estar aqui!”, foi a saudação da cantora no melhor português que pôde.


 
“The Glory and the Scum”, “Suckerpunch” e “Get the Devil Out of Me”, emplacadas praticamente numa tacada só, quase deixaram a pressa transparecer, consequência talvez do atraso anterior. Mesmo assim, com muita simpatia, o grupo soube conduzir seu tempo entre ótimas execuções de suas músicas e uma constante interação. Sempre que podia, Charlotte dirigia palavras aos fãs, e os demais músicos não tiravam os olhos da plateia.



Com muita confiança e presença calorosa, veio “Here Come the Vultures”, com seu verso final solado pela casa, que não cansava de deslumbrar os ídolos impressionados com a recepção paulista. Sob gritos de “Delain! Delain!”, “Fire With Fire” deixou uma ótima mensagem sobre a chama interior que existe em cada um, a despeito dos aspectos físicos, como deixou claro o olhar da “mini” guitarrista Merel para o gigante Timo enquanto cantava ‘You will always be much too tall for someone else.’


 
À vontade, como se estivessem num ensaio, os holandeses fizeram algumas pausas necessárias por algum motivo e retornaram com “Pendulum” e o destaque da noite, a clássica “Sleepwalker’s Dream”. A faixa de “Lucidity”, debut lançado em 2006, foi maestralmente encerrada com um trecho da quase instrumental e recente “The Monarch”, com belas vocalizações de Wessels. A música rendeu um coro de “Olê, olê, olê, olê! Delain! Delain!”, respondido por um “Vocês são demais!”, ensinado na hora por algum brasileiro da equipe e seguido por um divertido pedido de desculpas: ‘If he made me say something dirty, I apologize!’



Na reta final da noite, a vocalista constatou que os fãs brasileiros são incansáveis e, apesar de suas tentativas de dissuadi-los do contrário, os pedidos por mais canções não paravam. “Don’t Let Go” foi mais uma injeção de ânimo e tornou muito difícil a despedida com “We Are the Others”. Inevitável como a luz do dia, o fim do show chegou com muitos agradecimentos, sorrisos e merecidos aplausos.
 
Apesar do atraso e de problemas no som, muito baixo durante todo o show, nada pareceu quebrar o encanto desse encontro, e os sortudos que puderam permanecer na casa foram atenciosamente atendidos pelos ídolos. Um encerramento de noite perfeito.



Roadie Crew copyrights © 2011 - All Rights Reserved - Todos os Direitos Reservados - Melhor visualizado em 1024x768