Live Evil
DEEP PURPLE / CHEAP TRICK / TESLA - RJ
Live Evil
NEUROSIS - Carioca Club (SP)
Live Evil
STEVE ROTHERY - Rio de Janeiro/RJ
Live Evil
GORGOROTH - Hangar 110 (SP)
Live Evil
HAMMERFALL – Fortaleza/CE
Live Evil
HAMMERFALL - Carioca Club (SP)
Live Evil
DARK DIMENSIONS FOLK FESTIVAL
Live Evil
DELAIN - Manifesto Bar (SP)
Live Evil
ZAKK SABBATH - Carioca Club (SP)
Live Evil
ZAKK SABBATH - Circo Voador (RJ)
Próxima
Qual o seu álbum preferido do AC/DC?
High Voltage (Austrália)
T.N.T. (Austrália)
High Voltage (Internacional)
Dirty Deeds Done Dirt Cheap
Let There Be Rock
Powerage
Highway to Hell
Back in Black
For Those About to Rock We Salute You
Flick of the Switch
Fly on the Wall
Blow Up Your Video
The Razors Edge
Ballbreaker
Stiff Upper Lip
Black Ice
Rock or Bust
18 de Janeiro 2018
RSS

03/12/2017
09:24 Live Evil



HAMMERFALL
Carioca Club - São Paulo/SP
1 de dezembro de 2017
Por João Messias Jr. / Fotos: Edu Lawless
 
Apesar de ter sido formado em 1993 com o nome de Ceremonial Oath, as coisas para o Hammerfall aconteceram de fato vinte anos atrás, com o lançamento do primeiro álbum, "Glory to the Brave". Alguns dirão acaso e outros sorte, mas a verdade é que o quinteto, capitaneado por Joacim Cans (vocal) e Oscar Dronjak (guitarra), ganhou o mundo com seu heavy metal que é mescla o lado tradicional de Maiden/Priest com o lado épico de Manowar e Warlord. Esse último, inclusive, ganhou uma versão para "Child of the Damned". Pois bem, duas décadas se foram e a banda atingiu o topo, desceu alguns degraus,  passou por algumas mudanças de formação e de sonoridade (levemente) e o mais importante: continuam lançando álbuns e extasiando fãs ao redor do planeta. E enlouquecer os fãs foi o que aconteceu nessa noite de temperatura agradável no Carioca Club, palco do primeiro show da turnê Build to tour 2017, que ainda passou por Minas Gerais e Ceará.


 
Em São Paulo, foi animador ver a fila quilométrica de bangers dando uma prova de devoção ao quinteto, que segue sua saga mesmo não tendo mais todos os holofotes do passado. Tudo rumou para uma noite histórica, desde a organização, ar condicionado funcionando até o som mecânico ajudou, com destaque para o hard/heavy dos anos 80/90, onde pudemos ouvir desde Dio, Dokken até Bruce Dickinson e um improvável Bangalore Choir. Depois, pontualmente às 20h, a linha de cordas do grupo, formada hoje por Pontus Norgren (guitarra, ex-Talisman), Fredrik Larsson (baixo), Oscar Dronjak (guitarra), seguido por David Wallin (bateria) e um carismático Joacim Cans entraram com a ótima "Hector’s Hymm", de "r(Evolution)" (2014), cujo ritmo cadenciado e refrão grudento mostrou o que seria essa apoteótica apresentação, cujo nível foi a estratosfera com "Riders of the Storm", cujas inspirações ficam entre Judas Priest e Kiss, este último nas coreografias. Este último quesito merece um adendo, pois durante o set inteiro a banda corre, pula e coreografa, fazendo do espetáculo, algo imperdível e inesquecível.


 
Porém, era apenas o começo. E então soltaram uma do mais recente trabalho, "Built to Last" (2016), a tradicional "Bring It", e voltaram no tempo com "Blood Bound", levando todos ao delírio, inclusive este que escreve essas linhas. E a aula de heavy metal continuava música após música. A cadenciada e 'maideniana' "Any Means Necessary", dona de um refrão marcante foi outro momento digno de nota, assim como a simples e cativante "Renegade".


 
Uma pausa para falar com o público e comentar que estavam com um novo álbum na praça, e mandaram a veloz "Dethroned and Defy", que mostra que o quinteto continua afiado, sem perder a força e intensidade dos primeiros dias. Contrastando com o pique tradicional, "Last Man Standing" mostra o grupo apostando em novas sonoridades. Mais hard, com sintetizadores e um refrão épico fez a alegria dos presentes, assim como "Let the  Hammer Fall" e "Built to Last", estas trazendo o estilo habitual do grupo.


 
Outra volta no tempo, mais precisamente a 1997 e com Joacim deixando o palco momentaneamente, o grupo fez um medley do álbum "Glory to the Brave", com o cantor retornando para executar a faixa-título, causando comoção em muitos camisas pretas.


 
"Punish and Slave" foi a deixa para a banda sair de cena por um breve período. Para retornarem e mandar o ataque final com Hammer High, Bushido e a clássica "Hearts of Fire", com solos soberbos e backings marcantes, coroou essa apresentação, que foi uma das melhores de 2017. Com o som quase perfeito e com o Carioca Club beirando a lotação, fizeram essa noite inesquecível. Daquelas de ficar na memória e contar para os amigos, filhos e sobrinhos.


 
Set List:
Hector s Hymm
Riders of the Storm
Bring It
Blood Bound
Any Means Necessary
Dethrone and Defy
Crimson Thunder
Last Man Standing
Let the Hammer Fall
Built to Last
Glory to the Brave (Medley)
Glory to the Brave
Origins
Punish and Enslave
Hammer High
Bushido
Hearts of Fire



Roadie Crew copyrights © 2011 - All Rights Reserved - Todos os Direitos Reservados - Melhor visualizado em 1024x768