fbpx
Live Evil

ANGRA

Vivo Rio - Rio de Janeiro/RJ, 26 de agosto de 2016

Fim de mês, ressaca olímpica, uma agenda de shows cada vez mais parruda… Dá para arrumar várias desculpas para justificar o público abaixo do esperado no Vivo Rio numa noite de sexta-feira para assistir ao capítulo carioca da comemoração dos 20 anos de “Holy Land”, a obra-prima máxima do Angra, um dos discos mais importantes do Metal nacional. Viu só? Teoricamente, ninguém precisava acordar cedo no dia seguinte. E estamos falando de um trabalho superlativo de uma das bandas mais queridas do público brasileiro. Creio que nem mesmo Andre Matos ajudaria a arrastar mais fãs para a casa, que fez uso daquela cortina preta no meio da pista para dar impressão de que o local estava razoavelmente tomado. Na prática, não estava.

Sejam quais forem os motivos, e neste momento a crise econômica levanta a mão para se mostrar presente, o fato é que o público carioca resolveu ficar mais em casa. Não à toa, a produtora de Scorpions (em setembro), Whitesnake (outubro) e Black Sabbath (dezembro) vem fazendo semana sim, semana também uma promoção “leve dois, pague um” para os ingressos dos shows das três bandas no Rio de Janeiro. E se já não teremos Aerosmith – vá lá que em 2013 a Praça da Apoteose ficou vazia porque o dilúvio que caiu no dia foi suficiente para dar medo de colocar a cara na janela –, neste ritmo a ponte aérea e a rodoviária serão válvulas de escape muito em breve. Mas vamos ao que interessa.

Em uma noite de convidados especiais, Fabio Lione (vocal), Rafael Bittencourt e Marcelo Barbosa (guitarras), Felipe Andreoli (baixo) e Bruno Valverde (bateria) trouxeram logo de cara Junior Carelli (teclados, Noturnall) e Dedé Reis (percussão) para a ótima “Newborn Me”, a primeira faixa de “Secret Garden” (2015) que ganhou a missão de abrir também as apresentações recentes da banda. E começava aí a montanha-russa que se tornaria o show, ao menos para quem escreve estas linhas. Bem recebida pelos fãs, “Wings Of Reality” ainda soa desnecessária e confusa como “Fireworks” (1998), o disco que a abriga, e “Waiting Silence”, de “Temple Of Shadows” (2004), a segunda pérola forjada pelo Angra, mostrou quem é o dono da bola, ainda mais agora que Kiko Loureiro está sob as asas de Dave Mustaine: foi a primeira canção da noite com Bittencourt nos vocais.

A trinca ficou como aquecimento para o que todos aguardavam, a íntegra de “Holy Land”. E não teve enrolação, digo, vinheta de introdução. No lugar de “Crossing”, uma chamada para Ricardo Confessori entrar no palco, e o que deveria ser um momento especial acabou sendo engolido pelo som ruim. À exceção dos bumbos, o som da bateria de Confessori era praticamente inexistente. Frustrante, porque se esperava uma usina de força com as duas gerações de baquetas tocando “Nothing To Say”. Esperava-se que àquela altura tudo estivesse mais bem equalizado, incluindo também o microfone de Lione e as guitarras.

Não foi o que aconteceu, mas a qualidade da música acabou passando por cima. Que o diga “Silence And Distance”, com o auxílio das vozes vindas da plateia, e a épica “Carolina IV”, que contou apenas com Confessori em quase toda a sua totalidade – e que foi precedida por uma desnecessariamente longa jam tribal ao lado de Valverde e Dedé Reis. O jovem e atual batera seguiu fora do palco para “Holy Land”, um dos grandes momentos do show, até porque aproveitaram o tempo até ela para mexer nos botões da mesa e deixar todas as peças do kit de Confessori finalmente audíveis.
Era a vez de Andreoli deixar o palco para o retorno de Luis Mariutti, que por três músicas esteve novamente entre os fãs cariocas do Angra – fica subentendida a brincadeira, porque o coro de “Jesus” ficou a cargo do público, obviamente. “The Shaman”, “Make Believe” e “Z.I.T.O.” tiveram apenas Mariutti e Confessori na cozinha, o que, sejamos sinceros, foi bem legal de ver.

Principalmente na bela “Make Believe”, que teve os vocais principais comandados por Bittencourt – não deixa de ser estranho ver um cantor do nível de Lione deixar o palco tantas vezes, mas é inegável que aqui o guitarrista, um vocalista até acima de média, mandou muito bem.
E foi com o capitão do time à frente do Angra versão 2016, com Andreoli e Valverde, que “Deep Blue” encerrou o set destinado ao segundo álbum. Ou quase encerrou. De volta ao seu lugar de direito, Lione mostrou a força do gogó cantando trechos de óperas e de “Tomorrow”, do Europe, com a ajuda de uma plateia participativa, apesar de ter precisado de um ou outro puxão de orelha ao longo do show. Começava assim a extensa parte final da celebração. Entre as novas “Final Light” e “Storm Of Emotions”, uma joia resgatada do disco de estreia, “Angels Cry” (1993): “Time” é fácil, fácil uma das melhores músicas da banda em seu quase um quarto de século. Teve a íntegra de “Holy Land”, beleza, mas só ela já valeria o espetáculo.

No esquema banquinho e violão, Bittencourt, sozinho no palco, enfim fechou o capítulo de 1996 com “Lullaby For Lucifer” e ainda emendou com “Silent Call” antes de Valverde desfilar técnica em seu solo de bateria. Infelizmente, momentos mal colocados no setlist, que teve a sua dinâmica retomada com a ótima versão de “Synchronicity II”, um dos vários clássicos do The Police. Ok, você pode dizer que a quantidade de celulares acesos durante o momento acústico foi um efeito bacana, mas ficaria feio se ninguém desse ouvidos ao pedido do líder do Angra.

“Angels And Demons”, apesar de uma confusão na hora de encerrá-la, manteve o clima lá em cima para um grand finale: “Rebirth” e “Nova Era” foram, como sempre, alguns dos principais destaques. Naquela noite, de fato o clímax. Sim, acabou aí. Não teve “Carry On”, apesar de um ou outro grito pedindo por ela – um ou outro mesmo, sem eco. Não teve, e os fãs saíram com um sorriso estampado no rosto. Não é esse o melhor termômetro de uma empreitada bem-sucedida? A felicidade dos fãs? Então.

Set list
1. Newborn Me
2. Wings Of Reality
3. Waiting Silence
4. Nothing To Say
5. Silence And Distance
6. Tribal Jam/Carolina IV
7. Holy Land
8. The Shaman
9. Make Believe
10. Z.I.T.O.
11. Deep Blue
12. Final Light
13. Time
14. Bass Solo/Storm of Emotions
15. Lullaby For Lucifer
16. Silent Call
17. Drum Solo
18. Synchronicity II
19. Angels And Demons
20. Rebirth
21. Nova Era

Recomendamos Para Você

Veja Também
Fechar
Fechar
Fechar