fbpx
EntrevistasRoadie News

CORPORATE DEATH “O interior de São Paulo sempre mostrando sua força extrema”

"Acreditamos que a maior conquista é de tocarmos as pessoas com nossa música..."

Damien Mendonça, Aline Lodi e Rafael Cau

O interior de São Paulo sempre mostrando sua força extrema no underground nacional e o Corporate Death é um excelente exemplo. Com seu estilo calcado em um primoroso Death Metal convidamos os membros Damien Mendonça e Rafael Cau para essa entrevista onde eles nos trazem importantes informações e anunciam que em 2019 serão iniciados os trabalhos para o novo álbum.

A banda Corporate Death foi fundada em 2001 e desde então vem trilhando o caminho da mais pura Brutalidade com seu excelente Death Metal. Durante todo esse tempo de atividade quais foram as maiores conquistas no seu ponto de vista?

Damien e Rafael: Primeiramente muito obrigado pela oportunidade e pelo espaço cedido para a banda. Acreditamos que a maior conquista é de tocarmos as pessoas com nossa música. Lutamos para compor, gravar e divulgar nosso trabalho e mesmo com todas as dificuldades de incentivo no Brasil, a resposta positiva do público headbanger é muito gratificante.

Em 2003 vocês lançaram um Rehearsal e dois anos depois a demo “Ways to the Madness” (2005). Como foi a receptividade do público nessa época?

Damien e Rafael: Na verdade a gravação da música “Loser” foi um ensaio na casa do Rafael Cau com 1 microfone gravado em fita, e foi lançado só para termos um primeiro registro. Depois disso a banda ficou em hiato e só gravamos o Ways to the Madness pouco mais de 1 anos depois. Tivemos uma repercussão excelente graças às boas resenhas da mídia especializada, e fizermos muitos shows de divulgação.

Rafael Cau, Aline Lodi e Damien Mendonça

Vemos que entre os lançamentos do Corporate Death existem longos espaços de tempo. Qual a maior dificuldade enfrentada por parte da banda quanto aos lançamentos de seus álbuns?

Damien e Rafael: Temos que conciliar as atividades da banda com nossa vida profissional, estudo e família. Infelizmente não conseguimos nos dedicar totalmente ao Corporate Death mas sempre tratamos a banda com seriedade e profissionalismo. Gravar um álbum exige muito tempo, dedicação e principalmente dinheiro. Então trabalhamos com um espaço de tempo razoável para oferecer um material com qualidade.

O primeiro Álbum “Terminate Existence” é uma obra prima, considerado por muitos um grandioso trabalho e que teve seu lançamento feito por um importante selo a Die Hard. A divulgação do mesmo foi satisfatória?

Damien e Rafael: Na verdade não foi feita uma divulgação satisfatória na época, além do resultado geral da gravação e mixagem não nos agradar. Temos planos de remixar e relançar o Terminate Existence em breve para a comemoração dos seus 10 anos.

Acredito que esse álbum logo de cara se tornou uma referência para o estilo pela sua alta qualidade musical e técnica. Para você este álbum foi o fator determinante para a projeção do Corporate Death no mundo?

Damien e Rafael: A banda está em constante evolução.  Nós amadurecemos muito por causa dele, e após essa experiência evoluímos muito em diversos aspectos. Gostamos muito das composições do Terminate Existence. Esse álbum foi o nosso ponto de partida e com certeza abriu muitas portas.

Quanto a cena gringa, houve uma distribuição por lá?

Damien e Rafael: O Terminate Existence é um pouco raro para fora do país. Quem tinha mais contato com o Fausto da Die Hard era o Paulo e todo o trâmite do lançamento foi feito por ele, então temos poucas informações da forma como o álbum foi distribuído, e em geral sobre esse lançamento.

Rafael Cau, Aline Lodi e Damien Mendonça

Em 2014 ainda com a mesma formação vocês lançaram o segundo álbum “Angels & Worms” após 6 anos do lançamento do primeiro álbum. Este trabalho foi lançado pelo selo italiano Murdher Records. Este lançamento feito por um selo europeu ajudou a difundir definitivamente o nome Corporate Death no velho continente?

Damien e Rafael: Na verdade o Angels & Worms foi gravado com Rafael Cau na bateria e já estava bem encaminhado nas composições quando o Paulo Pinheiro deixou a banda. Quanto ao lançamento do Angels & Worms, a Murdher Records fez uma excelente distribuição do nosso trabalho na Europa. Por lá é bem fácil encontrar esse material, mas por aqui é bem raro.

Esse mesmo álbum nunca teve seu lançamento em nossas terras. Por que não foi lançado no Brasil?

Damien e Rafael: Hoje em dia os selos especializados em música extrema batalham para lançar o material sempre em parcerias. Na época encontramos alguns selos interessados mas não o suficiente para o lançamento. Lançamos o CD promo (100 cópias) de forma independente e a Murdher Records gostou do trabalho da banda e decidiu lançar o CD.

Para nossa surpresa o vocalista Flávio Ribeiro se desligou da banda logo após o lançamento de “Angels & Worms”, afinal foram 13 anos à frente do line-up com sua voz poderosa. Qual o motivo desse afastamento tão repentino?

Damien e Rafael: Todos os anos com o Flávio foram uma excelente fase de nossas vidas. Fizemos ótimas músicas e shows mas devido a algumas divergências e desgaste de ambas as partes ele decidiu deixar a banda. Foi uma época difícil, mas com essa separação seguimos em frente com o Corporate Death e hoje o Flávio continua com seu poderoso vocal à frente da banda Vizaresh onde também toca baixo. O Vizaresh é mais uma força extrema somando no death metal nacional.

Terminate Existence – 2008

Para sua substituição vocês nos pegam de surpresa novamente. Entra na banda a Aline Lodi que é muito conhecida por integrar a banda Exhortation e claro, uma vocalista Brutal. Como foi que surgiu a ideia para a entrada desta que pra mim é uma das melhores vocalistas do Brasil?

Damien e Rafael: Tocamos com o Exhortation em alguns festivais e já conhecíamos o pessoal a algum tempo. A ideia principal quando chamamos a Aline para a banda foi de iniciar uma nova fase no Corporate Death. Não queríamos um vocalista que tentasse imitar o vocal do Flávio e como a Aline tem um vocal com personalidade decidimos fazer o convite. Ela aceitou de imediato o desafio e a cada ensaio sua evolução mostrou que ela foi uma escolha certa para a banda.

Quando ouvi o Single “Ignorance Prevails” fiquei impressionadíssimo com a adaptação dela na banda. Por um momento parecia que ela sempre foi integrante da banda pois seus vocais caíram como uma luva nas composições da banda. Como foi a repercussão deste material junto aos fãs?

Damien e Rafael: A repercussão foi muito boa e recebemos um feedback positivo desse single. Isso nos motivou ainda mais para continuarmos com as composições do próximo álbum.

Logo após este single de 2016 a banda vem com “Reborn” título muito justo ao vermos toda a trajetória da banda. Afinal uma banda reformulada. Este trabalho foi lançado pela união de três selos e para muitos o melhor álbum da banda desde então. O que vocês nos falam a respeito?

Damien e Rafael: Esse trabalho é muito especial para a banda, como foi dito anteriormente cada álbum marca uma fase de nossas vidas. Reborn é um álbum brutal como os anteriores mas tem uma dinâmica diferente, mostra um Corporate Death mais sólido. Temos muita gratidão com os selos (Misanthropic Records, Cianeto Records e Brutaller Records) por acreditarem na banda e investirem no lançamento desse CD.

Angels & Worms – 2013

A Aline Lodi mostrou muita competência neste trabalho, ela está como membro efetivo ou está apenas dando suporte à banda?

Damien e Rafael: A Aline já faz parte da história do Corporate Death há mais de 4 anos e é membro efetivo da banda sem sombra de dúvida.

Quanto aos shows para divulgação do álbum, vocês têm viajado e tocado em outros estados Brasileiros?

Damien e Rafael: Não recebemos muitas propostas para tocarmos fora do estado mas a banda está com a agenda aberta para shows.

Este álbum também está tendo uma boa divulgação fora do Brasil?

Damien e Rafael: Sim, estamos recebendo um ótimo feedback de fora sobre o Reborn e os selos contribuem muito para isso.

Com essa formação destruidora a banda pretende nos brindar com mais trabalho em breve?

Damien e Rafael: Estamos em processo de composição, com muitas ideias amadurecendo, e pretendemos entrar em estúdio em 2019 para o próximo álbum.

A banda é originaria de Jundiaí cidade bem perto da capital e que parece ter uma cena bem forte. Como você vê a cena atual?

Reborn – 2017

Damien e Rafael: Na nossa cidade os shows são muito raros. Não vemos mais shows lotados como antigamente, mas a cena underground ainda respira, principalmente no interior. O Brasil tem excelentes bandas na ativa, e é a ajuda de todos que nos mantém em pé.

A banda apresenta temáticas bem fortes em suas letras como anti religião, Niilismo e o lado negro da vida humana. Quem é o compositor mais ativo na questão lírica? e quais as suas principais fontes de inspiração?

Damien e Rafael: Cada álbum teve um método de composição diferente. Atualmente todos escrevem letras na banda. A principal fonte de inspiração é a fraqueza humana que atribui suas responsabilidades em fantasmas imaginários.

Meus velhos amigos Damien Mendonça e Rafael Cau, eu agradeço imensamente gentileza em me receber e por toda a atenção à essa entrevista. Um forte abraço e o espaço é de vocês…

Damien e Rafael: Muito obrigado pela oportunidade dada a nós e às bandas do metal nacional.

Abaixo o vídeo gravado da apresentação do Corporate Death no Umbra Ad Aeternum Fest 2

Recomendamos Para Você

Fechar
Fechar