fbpx
PremiereRoadie News

DEEP PURPLE lança clipe de “Throw My Bones”, música do próximo álbum “Whoosh”

O novo álbum do Deep Purple, Whoosh, será lançado no dia 12 de junho, via earMUSIC. E para dar um gostinho do que vem por aí, o grupo inglês lançou o videoclipe do primeiro single do álbum, Throw My Bones. Veja abaixo.

Whoosh será o 21° álbum da carreira do Purple, que novamente contou com a produção do lendário Bob Ezrin, famoso por seus trabalhos com Kiss, Alice Cooper, Pink Floyd e outros. O canadense Ezrin já havia trabalhado nos últimos dois álbuns de estúdio do Deep Purple, Infinite (2017) e Now What?! (2013).

O álbum estará disponível em formato limitado em CD + DVD mediabook (incluindo uma hora de “Roger Glover and Bob Ezrin In Conversation” e, pela primeira vez, a performance ao vivo completa no “Hellfest 2017” em vídeo), e também vinil duplo + DVD e boxset digital limitado.

“Incluímos tudo o que fez toda a banda sorrir, inclusive Bob Ezrin. Sempre gostamos de fazer música e ter o luxo incrível de um público leal”, disse o guitarrista Steve Morse.

Confira o tracklist de Whoosh:

  1. Throw My Bones
  2. Drop The Weapon
  3. We’re All The Same In The Dark
  4. Nothing At All
  5. No Need To Shout
  6. Step By Step
  7. What The What
  8. The Long Way Round
  9. The Power Of The Moon
  10. Remission Possible
  11. Man Alive
  12. And The Address
  13. Dancing In My Sleep

No ano passado, Roger Glover disse ao Chicago Sun Times que ele e seus colegas de banda planejavam continuar gravando novas músicas: “Estamos trabalhando um pouco. Há algumas coisas por aí, ainda não sabemos o que é, onde ou quando, mas ainda não paramos”.

O baixista disse também: “É claro que, se você for bem-sucedido, existe o perigo de as pessoas quererem que você faça a mesma coisa e seja bem-sucedido novamente e continue, mas não funciona dessa maneira. Você não pode simplesmente se repetir”, afirmou.

Tendo lançado seis álbuns desde 1996, Glover disse também que todos no Purple estão comprometidos em manter as coisas novas: “Acho que havia quase um desejo tácito de avançar, de não nos repetir”, explicou. “É claro que os músicos são os mesmos, então os sons podem soar iguais em todo o estilo ou algo assim. Mas, no que diz respeito à composição, acho que a maioria das bandas não entende as músicas. Elas falam sobre performance, ganchos e coisas assim, mas, em minha opinião, escrever uma música é muito mais do que isso. E sempre tentamos escrever músicas diferentes. O perigo é, claro, você se tornar uma paródia de si mesmo se tentar se copiar. Portanto, sempre tentamos seguir em frente e mudar. É um desafio”, concluiu.

Recomendamos Para Você

Fechar
Fechar