fbpx
Previous slide
Next slide
Previous slide
Next slide

KIKO LOUREIRO: “Por circunstâncias na minha vida, tomei a liberdade de não estar no MEGADETH”

Já no Brasil, onde está revendo familiares e fará dois shows no Sesc Avenida Paulista, em São Paulo, nos próximos dias 8 e 9 de dezembro, Kiko Loureiro finalmente quebrou o silêncio e falou ao vivo sobre sua situação no Megadeth ao seu ex-parceiro de Angra, o também guitarrista Rafael Bittencourt, apresentador do canal Amplifica no YouTube. Após mais de quatro horas de programa, a dupla finalmente entrou no assunto quando Bittencourt perguntou para Kiko como ele se vê atualmente na carreira. Em sua explanação, Kiko mencionou o Megadeth

Primeiramente, Kiko explicou que os shows solo que fará no Sesc já estavam planejados há alguns meses: “Essa viagem pro Brasil já estava marcada faz tempo porque esse é um período nos Estados Unidos que não tem nenhuma atividade, que é o Thanksgiving (N.R.: Dia de Ação de Graças)”. Kiko prosseguiu ressaltando que esse é um período do ano em que “Não tem evento, não tem show… Basicamente não tem nada (acontecendo) nos Estados Unidos. As bandas não estão em turnê porque o público está viajando, não está em sua cidade de origem e tal, então é por isso que estou aqui nesse período, que eu pude marcar a viagem para ver minha família, meus pais, irmã, irmão…”, justificou. “Então dava para planejar (os shows e a viagem) com antecedência”. 

Falando sobre os perrengues de estar em uma banda altamente ativa quanto ao MegadethKiko recordou sua frustração quando seu pai, de 85 anos, comprou passagens aéreas e foi visitá-lo em Helsinque, na Finlândia, onde o guitarrista reside com esposa e filhos. Bem na época, a banda marcou shows e ambos não puderam desfrutar do reencontro. 

Quanto ao anúncio divulgado em suas redes e na do Megadeth sobre seu “afastamento” do grupo, Kiko comentou: “(…) Na realidade, era um depoimento que ia sair pelo canal do Megadeth primeiro, aí depois o Dave (Mustaine) falou, “Não, posta você primeiro”, detalhou. (Foi) Tudo totalmente conversado antes, coisa que vinha desde junho.”

A parte mais esperada da conversa para os fãs, sobre a saída ou não do Megadeth, foi respondida por Kiko de uma forma não muito incisiva. Misturando sua história de Angra com a de Megadeth, Kiko demonstrou certo receio em dizer se sua saída da banda americana é realmente temporária ou permanente. Resumindo, deixou no ar para que o próprio público tire suas conclusões: “Acho que a gente tem ciclos na vida, né?”. Ao que tudo indica, pesou para Kiko Loureiro a questão da liberdade artística, algo difícil de poder usufruir em uma banda como o Megadeth na qual a palavra final nas composições sempre será do líder e fundador Dave Mustaine. Aprofundando-se no assunto, Loureiro disse: “Devido a circunstâncias na minha vida, tomei a liberdade de optar de não estar no Megadeth. A liberdade é você ter a escolha entre duas opções viáveis”. E exemplificou: “Se você está em um trabalho e se gostaria de não estar ou você não pode estar mas você precisa estar porque precisa pagar as contas, você não tem essa liberdade”

Enquanto rola esse imbróglio de sua saída ou não do Megadeth, as redes sociais se tornaram um antro dos mais “proféticos”, dramáticos, ofensivos e alguns poucos compreensivos comentários. Sabedor disso, Kiko tratou de deixar claro que nenhum problema relacionado a brigas ou algo assim aconteceu para que ele tenha tomado essa decisão de “não estar” no Megadeth“Toda decisão é um dilema, porque não é um problema que você tenha, do tipo, ‘briguei’… Não é nada disso! É um dilema, eu tenho algumas questões de família que eu queria ficar mais em casa. Sempre as pessoas acham que tem um problema muito sério acontecendo pra (pessoa) poder abrir mão (de algo importante).”

O guitarrista brasileiro alertou ainda sobre sua compreensiva decisão de se afastar da banda pela necessidade de estar mais próximo de sua família. “Existe uma questão que eu preciso ficar mais em casa. Não posso ficar três meses em turnê, seis meses fora de casa. É muito tempo! Acredito que (isso) seja uma maturidade ou um resultado de um desenvolvimento pessoal”Kiko relembrou, por exemplo, que quase perdeu o nascimento de sua filha mais velha, Livia, de 12 anos, quando tocou com o Angra no “Rock in Rio”. “Quando penso hoje, digo (sobre esse ocorrido): ‘Puta, que idiota!’. Porque o risco de não ter visto minha filha nascer era enorme e eu optei por ser o músico e tocar com o Angra no Rock in Rio, porque o Rock in Rio ‘era mais importante’. O Kiko de hoje fala, “Você é um idiota!”.  O Rock in Rio nunca vai ser mais importante do que o risco de você talvez perder o nascimento de sua filha”.

Kiko também falou do quão importante é para a equipe de uma banda que ela esteja na estrada fazendo shows e que ele não está apto atualmente para essa condição de shows frequentes. “(…) Então tem essa questão: quanto mais show melhor; e eu não estou (nessa) de ‘quanto mais show melhor’. (É uma questão de) Momento na vida; filho pequeno… É o que eu falei pro Dave: “Meu filho precisa mais de mim agora do que o Megadeth precisa de mim”. Esse é o resumo da história. Foi tudo conversado, tentei fazer tudo da melhor forma possível”.

Por fim, Kiko mostrou incômodo com a situação confortável e até certo ponto monótona e sem tantos desafios de se estar em uma banda estrangeira do porte do Megadeth, em que tudo acontece de um modo mais fácil do que no Brasil. “Tem também o lance de músico, talvez. Cara, você tem que estar no desconforto. O Megadeth estava muito confortável também. É muito confortável. Você fica em casa, chega o e-mail, passagem business class, você toca vinte, vinte e cinco músicas no máximo em nove anos (N.R. período em que Kiko esteve no Megadeth), não tem nada que eu precise aprender de novo e tal, tem técnicos bons pra caramba, você chega e a guitarra está “tudo” pronto…”. 

Em seus nove anos de MegadethKiko Loureiro gravou os bem recebidos álbuns Dystopia (2016), com o qual viu o grupo conquistar o primeiro Grammy de sua história, e The Sick, The Dying… And The Dead! (2022), que segue sendo promovido na estrada com a Crush The World Tour, que passará pelo Brasil em abril de 2024.

Assista a entrevista completa de Kiko Loureiro no Amplifica:

Compartilhe:
Follow by Email
Facebook
Twitter
Youtube
Youtube
Instagram
Whatsapp
LinkedIn
Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS

EXCLUSIVAS

ROADIE CREW #278
Janeiro/Fevereiro

SIGA-NOS

43,2k

57k

17,4k

1k

22,3k

Escute todos os PodCats no

PODCAST

ROADIE SHOP

SIGA-NOS

Cadastre-se em nossa NewsLetter

Receba nossas novidades e promoções no seu e-mail

Copyright 2024 © All rights Reserved. Design by Diego Lopes