fbpx
Previous slide
Next slide
Previous slide
Next slide

PERSEFONE | THE SEER – São Paulo (SP)

Por Marcelo Gomes

Fotos: Bemilson dos Santos

Persefone, banda de death metal progressivo de Andorra com mais de 20 anos de carreira e cinco discos lançados, finalmente veio ao Brasil com sua atual turnê “Salto De Fe Tour”  para promover seu mais recente trabalho, Metanoia (2022). O show aconteceu no Manifesto Bar, mais conhecido como o Templo do Rock, no último dia 1º de março e contou com a banda The Seer como convidada.

Os encarregados de abrirem a noite foram os paulistas do The Seer, formado por Lucas Povinha (vocal), Rafael Savone (guitarra), Clodoaldo Barboza (baixo), Lucas Cardoso (teclado) e Lucas Emidio (bateria, RF Force, ex-Hatematter), que lançou recentemente seu primeiro trabalho, The Answer (2023). O set começou com duas sem intervalo, Alone e Mother, faixas que foram lançadas como singles e evidenciam a qualidade técnica dos músicos. O som estava bem alto; aliás, mais alto que alto do que na apresentação do Persefone. Lucas Povinha aproveitou para agradecer a presença de todos e anunciou mais uma do debut, Nothing. Então, o baixista Clodoaldo Barboza foi ao microfone anunciar que iriam gravar imagens da música Ego para um videoclipe, pedindo para o público se aproximar do palco. O set foi finalizado com a faixa-título do debut, The Answer, e aproveitaram para apresentar a banda. O show pode ser resumido em músicos competentes e ótimas composições, a matemática certa para conquistar o público.

Quando Daniel Flys (vocal), Miguel Espinosa (vocal e teclados), Carlos Lozano e Filipe Baldaia (guitarras) e Sergi Verdeguer (bateria) subiram ao palco sem seu baixista original, Toni Mestre, para executar Flying Sea Dragons, o público respondeu com gritos, acenos com as mãos enquanto os membros do Persefone retribuíam com sorrisos, gesticulando com a cabeça. Mas a pancadaria começou mesmo quando Daniel Flys entrou em Mind As Universe. Espinosa faz as partes dos vocais limpos e com belas melodias. Nas partes instrumentais, Daniel agita de forma alucinada. O show seguiu com Still Is Timeless, uma das mais longas da noite, enquanto os presentes tentavam assimilar o que estava acontecendo diante de seus olhos.

Com os fãs ovacionando a banda, Daniel agradeceu a presença de todos: “Vocês são incríveis!” Mas foi em Prison Skin, uma das mais esperadas, que o público se entregou e participou intensamente. As diferentes partes fizeram todos imergirem em uma viagem ao longo das diversas passagens rítmicas da composição. Não podia faltar uma música de Metanoia, trabalho mais recente da banda. Daniel pediu então para que todos acendessem as luzes de seus celulares e assim tocam Merkabah, com todos cantando o início, criando uma atmosfera única. A pancadaria voltou com The Great Reality, de Spiritual Migration (2013), emendada com a faixa-título do álbum num medley incrível. O trabalho das guitarras do Carlos Lozano e Filipe Baldaia são sensacionais, de extremo virtuosismo e bom gosto.

Para acalmar um pouco veio Cosmic Walkers, levando quem ouvia a ter uma experiência extra-sensorial. É uma viagem e tanto! As vozes com elementos de música eletrônica, que poderiam causar algum incômodo em Living Waves, passam desapercebidas diante da diversas partes progressivas, melódicas e pesadas, que deixam qualquer estudante de música perplexo com a habilidade dos músicos. Metanoia foi usada como introdução para a destruição viria a seguir, Katabasis, do mais recente trabalho e que mostra que a banda continua mantendo sua essência, mesclando os elementos que a consagraram de forma criativa e moderna. De fato, cada música o leva a um caminho diferente de percepção; é instigante, para dizer o mínimo.

O set seguiu com Fall To Rise, que tem um instrumental fantástico, riffs de guitarras bem técnicos, vocais super agressivos e outrora melódicos, tudo isso acompanhado por um belo mosh pit pedido por Daniel Flys, que foi prontamente atendido. Ele então diz que o show está chegando ao fim, mas não sem antes de tocar Aathma Part III e Aathma Part IV. Para os bis, tocam The Majestic of Gaia. Em uma demonstração de entrega com seus fãs, a dupla de guitarras, Carlos e Filipe, desceu do palco e tocou parte da música rodeado de seus fãs para dar uma final épico a uma apresentação fantástica do Persefone em seu debut no Brasil.

O show do Persefone é quase uma experiência espiritual que transcende a música, levando quem vê e ouve a criar imagens cinematográficas com toda a sua riqueza sonora. A estreia no Brasil foi incrível, com a banda passeando por sua discografia, com temas complexos da sua carreira. Apesar de a casa não estar cheia, foi compensada com um  público  apaixonado e  sedento, que interagiu de forma intensa nos mosh pits e cantando boa parte das músicas.

Setlist The Seer:

01) Alone

02) Mother

03) Nothing

04) Ego

05) The Answer

Setlist Persefone:

01) Flying Sea Dragons

02) Mind as Universe

03) Stillness Is Timeless

04) Prison Skin

05) Merkabah

06) Great Reality

07) Spiritual Migration

08) Cosmic Walkers

09) Living Waves

10) Metanoia

11) Katabasis

12) Fall To Rise

13) Aathma Part III

14) Aathma Part IV

15) The Majestic of Gaia

A ROADIE CREW agora tem um canal no Telegram!

Participe para receber e debater as principais notícias do mundo do metal

https://t.me/roadiecrew

Compartilhe:
Follow by Email
Facebook
Twitter
Youtube
Youtube
Instagram
Whatsapp
LinkedIn
Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS

EXCLUSIVAS

ROADIE CREW #279
Março/Abril

SIGA-NOS

45k

57k

17,3k

989

22,6k

Escute todos os PodCats no

PODCAST

ROADIE SHOP

SIGA-NOS

Cadastre-se em nossa NewsLetter

Receba nossas novidades e promoções no seu e-mail

Copyright 2024 © All rights Reserved. Design by Diego Lopes

plugins premium WordPress