fbpx
Previous slide
Next slide
Previous slide
Next slide

Steve Rosen lança o livro “Tonechaser – Understanding Edward: My 26-Year Journey with Edward Van Halen”

O lendário jornalista de rock Steve Rosen finalmente lançou seu tão esperado livro sobre a amizade íntima que ele compartilhou com o falecido e icônico guitarrista Edward Van Halen. O livro, intitulado Tonechaser – Understanding Edward: My 26-Year Journey with Edward Van Halen, narra o notável relacionamento do escritor com o guitarrista, começando em 1977 (antes do lançamento do primeiro álbum do Van Halen) e continuando até 2003.

Rosen, que já foi autor de sete outros livros, incluindo biografias sobre Jeff Beck, Free e Bad Company, Black Sabbath e Randy Rhoads, além de ter sido correspondente internacional da Roadie Crew, escreve sobre como era ser amigo do, para muitos, maior guitarrista do mundo. 

Não é uma tarefa fácil de empreender. 

A fim de contar a história com precisão, Rosen se debruçou sobre horas de entrevistas – todas meticulosamente gravadas e catalogadas em fita – e olhou profundamente dentro de memórias distantes para criar um livro diferente de qualquer outro por aí. 

O jornalista passou muitas horas com Edward em sua própria pousada em Hollywood Hills; no estúdio 5150 do Van Halen; em aviões, em carros e até mesmo tocando em várias ocasiões com Eddie.

Não há outro livro por aí que capture o coração e a criatividade do falecido mestre instrumentista. Rosen foi amigo de Edward – amigo íntimo – por muitos anos e nenhum outro escritor pode reinvindicar esse título.

Tonechaser – Understanding Edward: My 26-Year Journey with Edward Van Halen é um tomo de capa dura de 580 páginas com um formato 7×10. As fotos da capa e contracapa foram tiradas pelo icônico fotógrafo do Van HalenNeil Zlozower, que também forneceu fotografias interiores. 

O autor iria escrever a biografia autorizada de Edward em 1985, mas esse livro nunca veio à tona. Os fãs de Van Halen estão literalmente esperando há mais de 37 anos para Rosen revisitar o livro. 

Se as primeiras respostas dos leitores são alguma indicação, os fãs dizem que a espera valeu a pena.

Steve Rosen comenta: “Escolhi esse título, Tonechaser (N.T.: caçador de timbre) porque Edward uma vez se descreveu dessa maneira. Pensei que era uma palavra muito bonita, frágil e comovente para ele usar em sua busca pelo sempre indescritível Brown Sound. Eu também pensei que funcionava em outro nível em termos do “tom” de sua vida e de ser um guitarrista, membro da banda, marido, pai e ícone. 

“Eu nunca tinha ouvido Edward usar essa frase em nenhum outro lugar e, de fato, depois de entrevistar centenas e centenas de guitarristas, nunca ouvi um deles usar essa palavra para descrever o que eles fazem”. 

Tonechaser está disponível na Amazon, Reverb e Etsy. Compradores internacionais podem entrar em contato com o autor por aqui para obter detalhes sobre o envio.

 

Trecho do Capítulo 4 do livro, intitulado “Como tocar guitarra como Eddie Van Halen em uma (não tão) fácil lição”, escrito por Steve Rosen 

 

“Isso aconteceu em 30 de dezembro de 1978 e foi a primeira vez que Edward veio à minha pequena pousada em Hollywood Hills”.

Minha xícara de café esvaziou e meu cérebro nadando com um doce zumbido de cafeína, ouvi um carro parar na rua abaixo. Olhei pela janela da frente e vi algum batedor estacionado em frente à minha garagem e assumi que não poderia ter sido o carro dele, já que esperava que ele parasse em algo rápido, brilhante e exótico.          Entrei em um leve surto de ansiedade porque queria manter aquele local livre para sua chegada. Abri a porta da frente, comecei a descer as escadas e vi a porta do lado do motorista se abrindo. Eu estava prestes a desencadear a fúria no mesmo instante em que reconheci a pessoa que saía do carro. Era o Edward. Ele bateu a porta, me viu em pé no topo dos degraus e gritou: “Steeeeve”. Santo doce inferno sabotador, eu quase gritei com ele por estacionar no lugar que eu estava segurando para ele e quão inquietante teria sido isso?

Desci os degraus e disse olá, agradeci a ele cerca de cem vezes por vir e como ele tinha estado e como foi a turnê e, honestamente, não me lembro muito sobre o que aconteceu. Eu estava muito ocupado lidado com a realidade incompreensível de sua presença em minha casa naquele dia e tentando entender o fato de que eu estava lá com aquela pessoa que eu só conheci há pouco mais de um ano e meio e durante esse tempo havia conquistado o mundo e sido elevado a um nível de idolatria que poucos músicos alcançaram ao longo de toda uma carreira muito menos alcançada com o lançamento de um álbum e puta merda o que estava acontecendo? Tudo isso passou pela minha cabeça e, enquanto eu tentava processar, Ed disse: Entre no carro”. 

Enquanto eu estava sentado em seu carro esperando para ouvir a música, eu queria que um dos meus vizinhos me visse. Não, eu esperava desesperadamente que um vizinho me visse e, particularmente, essa loira morta que morava a uma casa de mim ou essas duas garotas ferozmente bonitas que moravam do outro lado da rua. Eu estava orando para que um deles passasse e me visse sentado no carro e olhasse para o motorista e o reconhecesse e suspirasse. Eu não seria mais aquele escritor anônimo que viveu na 1909 Weepah Way, mas sim aquele cara que estava sentado em um carro com Eddie Van Halen. “Talvez devêssemos falar com ele”, eles pensariam. “Talvez ele nos apresente a Eddie” (deixa: gritos de prazer sexual). 

Cenas de excesso de dança selvagem em meu cérebro, fui trazido de volta à realidade quando ouvi Ed dando dicas na fita. Antes da primeira música sair dos alto-falantes do boombox, percebi o quão realmente raro era isso. Não só porque eu estava sentando lá com Edward Van Halen, mas porque eu nunca tinha ouvido um álbum enquanto o artista estava ali ao meu lado. Eu tinha ido a festas de audição onde a gravadora tocava o novo álbum de uma banda enquanto centenas de convidados e o próprio grupo vagavam por aí comendo aperitivos e jogando coquetéis gratuitos em um bar aberto, mas isso não era o mesmo porque parecia muito impessoal. Isso foi diferente, cara. Eu estava lá com o artista prestes a ouvir seu álbum. Um a um. Isso nunca tinha acontecido antes.

A primeira música começou a sair dos alto-falantes em níveis de esmagamento de orelhas. Fui assaltado por aquele riff monstruoso beirando o que eu achava que era quase funky; um lick bem staccato, tipo uma facada. A próxima faixa começou com uma série de acordes gigantes e seguiu em ondas de volume que eu imaginei que Edward havia criado com o controle de volume da guitarra.

O que eu me lembro sobre ambas as músicas era que, assim que os solos assassinos entravam em ação, não havia faixas de apoio de guitarra rítmica, que era o que eu amava no Cream e sua abordagem ao vivo para gravar. Eu também reconheci isso como algo que o Van Halen tinha feito no primeiro álbum; apenas um trio despojado indo para a garganta.

Nós nos sentamos lá em seu carro e continuamos ouvindo e eu tentei rabiscar notas mentais no meu cérebro sobre solos e certos riffs e que tipo de sons de guitarra ele estava recebendo, mas isso era quase impossível. Se eu soubesse que iríamos ouvir música, eu teria trazido uma caneta e um papel e não estava prestes a dizer à ele, “Uh, Edward, vou correr de volta para a casa e pegar uma caneta e papel. Apenas pause isso aí. Fale sobre um assassino de humor, certo? Eu não tinha ponto de referência porque não havia vocais, então eu tive que tentar catalogar as músicas como um embaralhamento rápido ou mid-tempo e quais solos foram em quais músicas e coisas assim e no minuto em que uma nova música surgiu, esqueci a faixa antes dela.

Como não queríamos perturbar os vizinhos, as janelas estavam amontoadas. Edward continuou a soprar anéis de fumaça como notas inteiras que se deslocavam para o topo do carro e enchiam o compartimento com essa nuvem vaporosa e letal. Meus olhos estavam lacrimejando, e eu podia sentir meus pulmões ficando pretos. Além de tudo isso, ele tinha aumentado o volume a um nível tão ensurdecedor, que eu fiquei esperando que pequenas gotículas de sangue saíssem vazando dos meus ouvidos. Ainda assim, com tudo isso, eu nunca quis sair do carro. Eu queria que aquela fita continuasse tocando para que eu pudesse me sentar ao lado dele para sempre, trancado naquele casulo, naquela bolha, maravilhado com a guitarra tocando que eu estava ouvindo e pensando que eu era o cara mais especial e privilegiado do mundo e que se importava se eu ficasse surdo, meus globos oculares explodisse, meus pulmões se transformassem em couro, e uma enxaqueca impiedosa me mandou para o hospital. Eu estava sentado em um carro com Edward Van Halen e ouvindo música que apenas algumas pessoas no mundo tinham ouvido naquela época e se isso significasse ficar surdo, mudo e cego, eu estava disposto a fazer o sacrifício”.

Edward Van Halen e Steve Rosen | Foto: Neil Zlozower

 

Veja o guitarrista Joe Satriani falando sobre o livro:

Veja alguns dos guitarristas que estão lendo Tonechaser – Understanding Edward: My 26-Year Journey with Edward Van Halen

Steve Rosen online:

Facebook: https://www.facebook.com/TONECHASERBOOK/

Instagram: https://www.instagram.com/steve.rosen.guitar.picks/?hl=en

YouTube: Steve Rosen – YouTube

A ROADIE CREW agora tem um canal no Telegram!

Participe para receber e debater as principais notícias do mundo do metal

https://t.me/roadiecrew

Compartilhe:
Follow by Email
Facebook
Twitter
Youtube
Youtube
Instagram
Whatsapp
LinkedIn
Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS

EXCLUSIVAS

ROADIE CREW #279
Março/Abril

SIGA-NOS

44,2k

57k

17,3k

1k

22,5k

Escute todos os PodCats no

PODCAST

ROADIE SHOP

SIGA-NOS

Cadastre-se em nossa NewsLetter

Receba nossas novidades e promoções no seu e-mail

Copyright 2024 © All rights Reserved. Design by Diego Lopes