fbpx
Previous slide
Next slide
Previous slide
Next slide

Versão de STEVE RILEY do L.A. GUNS lançará o single ‘Well Oiled Machine’; Nome da banda ainda gera polêmica

No dia 29 de junho, a versão do L.A. Guns do baterista Steve Riley lançará seu segundo single, Well Oiled Machine. A música integrará o primeiro álbum da banda, Renegades, que será lançado ainda este ano pela Golden Robot Records.

A versão de Riley do L.A. Guns não deve ser confundida com a banda liderada pelo guitarrista Tracii Guns e pelo vocalista Phil Lewis, que voltaram a tocar juntos e nos últimos três anos lançaram dois álbuns bem recebidos,The Missing Peace (2017)e The Devil You Know (2019), além do ao vivo Made in Milan (2018).

O L.A. Guns de Riley estreou ao vivo em maio de 2019 no M3 Rock Festival. O baterista é acompanhado pelo guitarrista/vocalista Kurt Frohlich, pelo baixista Kelly Nickels (membro da encarnação “clássica” do que considero ser o verdadeiro L.A. Guns – o que hoje pertence a Lewis e Guns) e pelo guitarrista Scott Griffin (que tocou baixo para a banda de 2007 a 2009, e depois de 2011 a 2014).

Durante uma aparição recente no “The Classic Metal Show”, Riley foi perguntado se estava querendo criar confusão no mercado musical iniciando outra versão do L.A. Guns com Nickels, ao que respondeu: “Não, de maneira alguma, porque eu já estava com essa disposição. Se você se lembra corretamente, Tracii saiu em 2002 e Phil Lewis e eu continuamos a banda por 15 anos sozinhos, fazendo quatro álbuns. – talvez cinco; acho que eram quatro – continuamos, e havia Tracii tocando com seu outro L.A. Guns. Então, não, eu já estava acostumado. E quando duas pessoas possuem a marca e o nome, você pode fazer isso, e eu nunca contestei Tracii fazendo isso, mesmo que Phil estivesse comigo por 15 anos, enquanto (Tracii) estava fora da banda. Então, eu já estava com vontade e sabia que quando ele fez isso originalmente nos anos 2000, ele criou confusão imediatamente, e acredito que foi quando Phil o atacou por vários anos na imprensa, (inclusive) no programa de TV do Eddie Trunk (That Metal Show). Ele detonou Tracii sem parar; ele não gostava dele e não gostava do que estava fazendo criando confusão. Assim sendo, isso é algo que eu já estou acostumado”.

Riley disse mais: “Eu nunca desisto do L.A. Guns. Nunca pretendi parar de trabalhar no L.A. Guns. É apenas uma questão de pessoas deixarem a banda. A coisa da confusão já estava lá – já estava acontecendo, porque Tracii começou essa confusão em 2006, acredito, (ou) 2005. Depois de montar o Brides of Destruction e alguns outros projetos, ele começou seu próprio L.A. Guns, enquanto Phil e eu estávamos trabalhando e gravando com o [produtor] Andy Johns e fazendo quatro álbuns (de estúdio) e um ao vivo. Portanto, essa confusão já existe”.

Riley também falou sobre o fato de que Lewis e Guns são os membros mais reconhecíveis do L.A. Guns, o que afeta a percepção das pessoas sobre as duas versões da banda.

“Quando você fala sobre o L.A. Guns e o vocalista e guitarrista, o fato é que a maior música da banda foi escrita por Kelly Nickels; ele compôs The Ballad of Jayne“, disse. “E o negócio é que a maior parte de nossa publicidade começa com The Ballad of Jayne; esse é o grande peso pesado de nossa publicidade. Ele compôs essa e várias outras músicas. Na verdade, ele compôs Crawl também, o novo single. Mas ele é um compositor prolífico; contribuiu muito para a composição nos primeiros anos, como eu também. Mas o fato é que ele trouxe a maior música da gente, The Ballad of Jayne. Essa é uma composição de Kelly Nickels!”, esbravejou.

“Então, eu não sei como você pesa um contra o outro”, acrescentou. “É algo que eu enfrento há vários anos. Todos os caras desistiram de uma vez ou de outra. Eu apenas mantive o L.A. Guns – o verdadeiro L.A. Guns, o L.A. Guns original, o lance original do L.A. Guns que eu mantenho todo esse tempo, desde 1988, e fechando acordos com gravadoras, turnês mundiais e tudo que há, além de todos os tipos de shows. É um negócio que eu realmente nunca parei”, defendeu-se.

“Se o Tracii quisesse lançar outro L.A. Guns, não há nada que eu possa fazer; não posso contestar. Portanto, é um problema com muitas bandas herdadas e é algo que você não pode evitar… Com essa banda, eu praticamente implorei a todos da formação clássica que não desistissem, em um momento ou outro.E quando eles queriam sair, eu tentei convencê-los, dizendo: ‘Vamos lá, espere um pouco, é algo bom que temos. É algo que podemos fazer para sempre. E então eu tentei convencer todo mundo disso, e muitas vezes não fui bem-sucedido, e em outras eu fui, como trazer Phil de volta à banda comigo e Tracii. Mas nem sempre funciona da maneira que você deseja, especialmente neste ramo”, afirmou.

Em janeiro passado, Riley foi processado por Guns e Lewis no Tribunal Distrital da Califórnia. Juntando-se a Riley como réus estão os três músicos que se apresentam em sua versão rival do L.A. Guns, o manager da banda, o agente de reservas e negociador e a Golden Robot Records.

A denúncia, que solicita um julgamento por júri, alega que a versão de Riley do L.A. Guns (referida no processo como “o L.A. Guns infrator”) está criando “concorrência desleal” através do uso não autorizado da marca comercial L.A. Guns. Além disso, Guns e Lewis estão buscando alívio contra publicidade falsa, quebra de contrato e uso não autorizado de suas semelhanças.

No fundo, a denúncia de Guns e Lewis questiona a alegação de Riley de propriedade parcial do nome e o logotipo do L.A. Guns, e alega que o uso de ambos não foi autorizado. Além disso, a dupla afirma – como Guns fez publicamente no passado – que Riley desviou grande parte das receitas de publicidade do grupo nas últimas duas décadas.

Apesar de deixar a banda logo após o lançamento de Waking the Dead, de 2002, para se concentrar no Brides of Destruction (seu supergrupo de curta duração com o baixista Nikki Sixx do Mötley Crüe), Guns “é o proprietário dos direitos de marca registrada do L.A. Guns” nome e logotipo, afirma o reclamante. Ele observa que Guns fundou a banda em 1983, quatro anos antes de Riley ingressar, e que o baterista não se apresentou no EP de estréia do grupo em 1984 e contribuiu para apenas uma faixa em sua estréia completa em 1987.

Segundo a denúncia, Guns “foi ferido pela concorrência desleal dos réus”, enquanto ele e Lewis “sofreram danos e ferimentos irreparáveis ​​à sua boa vontade”. Ele também afirma que o L.A. Guns de Riley foi formado “com a intenção de enganar e confundir os consumidores, acreditando que a banda infratora do L.A. Guns é a versão original de (Tracii) Guns“.

Além de danos reais e punitivos, Guns e Lewis estão buscando uma “liminar permanente” que impeça todos os réus nomeados de usarem o nome, logotipo e semelhança do L.A. Guns, além de “uma declaração de que Guns é o único proprietário dos direitos de marca registrada de direito comum para o o nome do L.A. Guns” e “quaisquer marcas de design relacionadas”.

Compartilhe:
Follow by Email
Facebook
Twitter
Youtube
Youtube
Instagram
Whatsapp
LinkedIn
Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS

EXCLUSIVAS

ROADIE CREW #280
Maio/Junho

SIGA-NOS

45,3k

57k

17,3k

990

22,7k

Escute todos os PodCats no

PODCAST

ROADIE SHOP

SIGA-NOS

Cadastre-se em nossa NewsLetter

Receba nossas novidades e promoções no seu e-mail

Copyright 2024 © All rights Reserved. Design by Diego Lopes

plugins premium WordPress