fbpx
Previous slide
Next slide
Previous slide
Next slide

MATANZA RITUAL – 10 de abril de 2022

Por: Vagner Mastropaulo

 

Que o ritual esteja apenas começando…

Com os shows voltando gradativamente, rumamos ao Tom Brasil… – ops, ao Tokio Marine Hall, novo nome da casa de shows localizada na Chácara Santo Antônio, Zona Sul de São Paulo – no veneno para testemunharmos o juntar de forças de um supertime da cena brasileira de rock/metal: Jimmy London (vocal), Antonio Araujo (guitarra), Felipe Andreoli (baixo) e Amílcar Christófaro (bateria).

A expectativa era pelos hinos do Matanza das antigas, Matanza Ritual nessa nova encarnação e, devido a um desencontro de informações referente ao horário de entrada da banda de abertura, somado aos trinta minutos perdidos na Estação Pinheiros da Linha Esmeralda do trem e a interrupção no trecho entre as estações Berrini e Santo Amaro, tivemos o famoso “problema de logística”. Sim, ele às vezes surge em resenhas como esta, o que impossibilitou a cobertura da apresentação da Sociedade Boêmia.


Porém, em um esforço coletivo envolvendo a assessoria de imprensa do evento e o fotógrafo Caike Scheffer, chegamos ao guitarrista Adam Fares e apuramos: o repertório iniciado às 18h45 teve oito músicas autorais e um cover do Raimundos, durou quarenta minutos. Completam o time o vocalista Téo, o baixista Renan Fernandes e o baterista Pincel – o setlist completo você confere no final.

Com início prometido para 20h, o Matanza Ritual só veio mesmo ao palco com meia hora de atraso. Na prática, dividiu o set em “blocos de pancadas”, por assim dizer, quatro ou cinco delas, com eventuais pausas para o respiro, a começar por Ressaca Sem Fim, Meio Psicopata, Remédios Demais, A Arte do Insulto e Bom é Quando Faz Mal – três das quais de A Arte do Insulto (2006). Assim, foram meros treze minutos que evaporaram.

Sem cair na armadilha da comparação ao passado e à outra formação, é desnecessário se alongar a respeito do nível técnico instrumental aliado ao super carisma do frontman, gerando entrosamento único e indicando o quanto ensaiaram, pois não é trivial sair “juntando” músicas como fizeram.

Individualmente falando, Antonio Araujo (Korzus) representa qualquer fã de música pesada, detonando e comandando as rodas que só não explodiram por causa da sobra de espaço e público infelizmente apenas razoável. Já Amilcar Christófaro (Torture Squad) e Felipe Andreoli (Angra) seguem a linha da competência quase discreta, se não fosse pelo super talento.

“Está sendo uma experiência incrível essa tour! Pra mim, é uma honra enorme ter a oportunidade de estar ao lado de Jimmy, Felipe e Amilcar tocando músicas que são importantes pra tanta gente. O mais legal é que todo o processo de imersão que tive que fazer para tocar os sons do jeito certo fez com que eu realmente me envolvesse com a música do Matanza. Já achava legal, mas agora muito mais. A tour tem sido muito foda e o show de São Paulo foi especial, como não poderia deixar de ser”, declarou o guitarrista.

Jimmy London, por sua vez, é puro entretenimento, das caretas às “dancinhas” punk ao interpretar os hinos de seu antigo grupo. No mais, é aquela coisa: você tem uma boa ideia geral de quais clássicos escutará e certamente se divertirá, restando descobrir como tudo será agrupado e o que o frontman dirá em suas engraçadíssimas interações. Ah, outra garantia é a das “homenagens” a ele destinadas, a começar – acredite! – assim que se abriram as cortinas.

Destaques? Obviamente O Chamado do Bar, Clube dos Canalhas, Mulher Diabo e Ela Roubou meu Caminhão, pérolas atemporais a levantar até defunto. E está lembrado das citadas “falas” engraçadas de Jimmy? Uma amostra de seu bom humor antes de Sujeito Amargo, exatamente a única autoral do novo quarteto já pronta: enquanto ele começava a discorrer sobre a faixa, algum gaiato jogou uma vestimenta sobre ele e reação não poderia ter sido melhor: “O que é isso, rapaz? Casaco bom! Pena que não é meu tamanho. Casaco muito bom”, entregando-o a um roadie, com a cereja do bolo ao pedir para que este anunciasse a roupa para vender num desses famosos sites de venda online e arrancando gargalhadas.

Outro interessante “pacote de pedradas” soou bem “ramoniano”, contendo Maldito Hippie Sujo, O Último Bar, a mencionada Sujeito Amargo e Taberneira, Traga o Gim. Quase batendo em uma hora e trinta e cinco minutos de atopelo, um curto trecho de Interceptor V-6 foi a senha de encerramento e a galera deixava o recinto ao som de Nellie The Elephant com gostinho de quero mais e na expectativa de rever o conjunto em breve. Que siga o ritual!

Matanza Ritual – Set list:

Ressaca Sem Fim

Meio Psicopata

Remédios Demais

A Arte do Insulto

Bom é Quando Faz Mal

O Chamado do Bar

Ela Não me Perdoou

Tudo Errado

O Que Está Feito, Está Feito

Eu Não Gosto de Ninguém

Clube dos Canalhas

Country Core Funeral

Carvão, Enxofre e Salitre

Pé na Porta, Soco na Cara

Tempo Ruim

Mulher Diabo

Sob a Mira

Conforme Disseram as Vozes

Conversa de Assassino Serial

Meesa de Saloon

Maldito Hippie Sujo

 O Último Bar

Sujeito Amargo

Taberneira, Traga o Gim

Todo Ódio da Vingança de Jack Buffalo Head

Ela Roubou Meu Caminhão

Estamos Todos Bêbados

Interceptor V-6

Sociedade Boêmia – Set list:

Objeto

Pra Onde Vamos Agora?

Morte Lenta

Passado Cangaceiro

Doa a Quem Doer

Aquela Estrada

Rua dos Sonhos

Eu Quero Ver o Oco (Raimundos)

Nada a Vender

A ROADIE CREW agora tem um canal no Telegram!

Participe para receber e debater as principais notícias do mundo do metal

https://t.me/roadiecrew

Compartilhe:
Follow by Email
Facebook
Twitter
Youtube
Youtube
Instagram
Whatsapp
LinkedIn
Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS

EXCLUSIVAS

ROADIE CREW #279
Março/Abril

SIGA-NOS

44,2k

57k

17,3k

1k

22,5k

Escute todos os PodCats no

PODCAST

ROADIE SHOP

SIGA-NOS

Cadastre-se em nossa NewsLetter

Receba nossas novidades e promoções no seu e-mail

Copyright 2024 © All rights Reserved. Design by Diego Lopes