fbpx
Previous slide
Next slide
Previous slide
Next slide

SCAR OF THE SUN: QUANDO A LUZ NOS CEGA

Sob vários aspectos, a história do metal na Grécia e no Brasil se confunde e se mistura. Para começar, ambos os países possuem cenas musicais muito fortes e variadas, mas ambras sofrem as consequências de estarem ‘fora do eixo’, ou seja, fora dos principais mercados consumidores do metal, o que acaba limitando a influência das nossas bandas no cenário mundial – algo que, tanto lá quanto aqui, acaba se reduzindo a alguns poucos nomes. Porém, com muito trabalho duro, tanto brasileiros quanto gregos vêm galgando seu espaço nesse concorrido cenário, algo que o Scar Of The Sun, liderado sempre pelo vocalista Terry Niklas, vem fazendo desde o lançamento de A Series of Unfortunate Concurrencies, seu álbum de estreia, em 2011. Com o mais recente, Inertia, em mãos, conversamos com o vocalista, que nos ofereceu detalhes do cenário grego atual e antigo, a gênese e o momento atual de sua banda. 

Geralmente os fãs de metal underground brasileiros estão intimamente ligados ao metal grego. Para nós, realmente parece que há muito em comum entre as duas cenas. Você sente essa mesma conexão? Como o metal brasileiro é visto na Grécia? 

Terry Nikas: Uau! Nós não sabíamos disso! É realmente incrível ouvir isso, já que sentimos que estamos bastante próximos do Brasil, tanto em relação ao clima quanto ao caráter amigável, mas também porque somos os “párias” do Metal de certa forma. Sempre foi difícil obter propostas de selos e gravadoras por causa do nosso país de origem. Eu, pessoalmente, cresci sendo um grande fã do Sepultura, é claro, desde o Scizophrenia! Vários amigos eram viciados em Ratos De Porão, mas eu me apaixonei pelo Viper, especialmente o álbum Theatre Of Fate, que está na minha lista top 10 de todos os tempos. Obviamente depois veio Angra que teve um impacto enorme, principalmente com os dois primeiros álbuns! Ainda me lembro de seus shows em Atenas, as pessoas enlouqueceram! Holy Land é um marco na música em geral, na minha opinião. Eu também tenho um amigo que é um grande cantor, um grande músico e ele tocou em várias bandas. Estou falando por Gus Monsanto e tive a honra de trabalhar com ele em meu estúdio em Atenas, Grécia. 

Conte-nos um pouco sobre a cena do metal grego hoje em dia, em termos de novas bandas, abordagem musical, audiência, etc. 

Terry: A Grécia tem uma cena musical muito animada e há muitas bandas, mas infelizmente a maioria delas permanece em um nível amador porque, como eu disse antes, as gravadoras não assinam com bandas gregas facilmente, então elas não têm nenhum apoio sério. Sempre tivemos uma ótima cena, mas durante os anos 90 não tínhamos um alto nível de produção e o som não era tão bom. Quando isso foi resolvido, a cena explodiu. Na Grécia, você encontrará principalmente bandas de metal extremo (Death & Black Metal principalmente), mas também tradicionais e power metal. Somos uma exceção, não conheço muitas bandas que tocam metal moderno por aqui para serem honesto. O bom é que você vê tantos headbangers por aí, temos muitos lugares para ir tomar uma bebida que toca diferentes tipos de Metal, mas também muitos clubes para tocar ao vivo. Eu não reclamo, o Metal é bastante estabelecido por aqui, embora nunca seja tão mainstream quanto na Finlândia, por exemplo. 

Pegando o gancho, o metal grego é uma grande influência para o Metal em geral, mas ainda mais em termos de metal extremo. Você teve influência da ‘velha guarda’, bandas como Rotting Christ, Varathron, SepticFlesh, etc? 

Terry: Como você disse, a cena do Metal Extremo da Grécia é a que mais brilhou fora da Grécia. Septic Flesh e Rotting Christ são lendas! Já o Varathron, eu não sei muito sobre eles, embora eles venham da cidade de onde eu venho. Eles são uma banda cult, mas não enorme. Rotting Christ, juntamente com Septic Flesh, Nightrage e Firewind abriram o caminho para outras bandas de metal da Grécia, a fim de fazer uma carreira internacional. Nós gostamos de todas essas bandas, é claro, somos fãs, mas não posso dizer que eles nos influenciaram em nossa música. Eles são uma enorme influência em relação ao seu profissionalismo, seu trabalho muito duro, sua persistência e sua postura profissional em geral. Eu vejo essas coisas de dentro, porque sou o engenheiro de som do Septic Flesh nos últimos seis anos e eu tiro grandes lições deles! 

Novamente pegando o gancho, as bandas acima mencionadas e outros gigantes do metal dividiram o palco com o SOTS recentemente, e eles elogiaram seu trabalho como banda. O que você sente sobre isso e o que aprendeu com essas experiências? 

Terry: Nem preciso dizer que é uma enorme honra ter esses gigantes falando sobre nós assim. Eu acredito que eles se veem em nós um pouco, eles sabem o quão difícil é tentar estabelecer sua banda e estão tentando nos dar uma mão amiga porque eles não tinham ninguém para fazê-lo. É como o pai ajudando o filho a chegar lá. Todos os caras dessas bandas são pessoas extremamente legais que você conhece. Você ouve falar de divas etc, mas esses caras são exemplos como seres humanos em geral! Eles sacrificaram tudo para fazer o que gostam. Então você entende que sempre que eles falam bem sobre você, você deve ficar muito honrado! Nós sempre aprendemos quando tocamos com essas bandas. Desde a sua preparação para o espetáculo até à sua presença de palco! A falta de estresse depois de tantos shows é algo que me impressiona e eu realmente espero que sejamos assim um dia também. Estamos constantemente tendo lições sobre como ser completamente profissionais e confiáveis! 

A Scar Of The Sun foi formada em 2004, então é quase uma carreira de vinte anos. Qual era o objetivo original naquela época (musicalmente), quando o SOTS foi formado? 

Terry: Eu comecei a banda lá atrás como um projeto solo. A primeira formação aconteceu em 2005, mas nos tornamos uma banda de verdade em 2009. Leva alguns anos no início para compor suas primeiras músicas e encontrar os membros apropriados. Eu não me lembro de muito antes de 2007 para ser honesto, na época não era minha prioridade realmente, porque eu também tinha que começar uma carreira para ganhar a vida. O que posso te dizer é que desde o dia em que tomei a decisão de criar uma banda, quis fazer isso até o fim, porque é assim que eu sou! Eu não faço coisas pela metade. O objetivo era assinar com uma grande gravadora e fazer uma turnê. Posso dizer-lhe agora que, eventualmente, este foi o objetivo da minha vida. Musicalmente eu queria ter uma banda multidimensional que incorporasse em nosso estilo muitas influências musicais. As duas bandas que me inspiraram principalmente foram Orphaned Land e Funeral For A Friend, que incorporaram muitos elementos musicais diferentes. Até hoje, acho essa ideia muito atraente, embora muitas pessoas achem difícil seguir o caráter multidimensional de uma banda. 

Até onde sabemos, vocês só lançaram uma única demo, a auto titulada, em 2004. Conte-nos, como você trabalhou sua música nos estágios iniciais de sua carreira? 

Terry: Compus as duas primeiras músicas, Disposable e I Lost. Lembro-me de ter toda a música I Lost na minha mente enquanto dirigia em Londres e eu não tinha uma maneira de gravá-la. Eu tinha quase toda a música, tanto música quanto linhas vocais com muitas partes para a letra. Foi uma luta para ir para casa e gravá-la no meu computador antes que esquecesse (risos). Depois de terminar as duas primeiras músicas, eu tinha o refrão para a terceira, Burn The Memory. Fui fazer uma viagem para a Alemanha e quando voltei para Londres, nosso guitarrista na época tinha terminado a música inteira, e ficou incrível! Estas três definiram a forma como o primeiro álbum soa. Essas músicas foram gravadas em nossos estúdios caseiros e nosso guitarrista Stamatis Koliousis mixou a demo. Já soava muito bem e até hoje, eu não mudaria muito! 

Conte-nos sobre seu álbum de estreia, A Series of Unfortunate Concurrencies, de 2011. 

Terry: Após a recepção da demo e depois que me mudei para a Grécia, decidi preparar um álbum, porque você não poderia assinar um contrato com apenas uma demo. Eu tinha a estrutura básica para mais duas músicas, A Pause In The Disaster e Disciple Of The Sun, que terminei eventualmente com a ajuda do nosso guitarrista original que deixou a banda na época. Então eu tive que fazer uma operação no meu joelho e fiquei em casa por um mês tocando guitarra sem parar. Desta forma, completei mais três músicas, Gravity, A Series Of Unfortunate Concurrencies e Swansong Of Senses. Nosso baterista na época, Achilleas Gatsopoulos, compôs 8th Ocean Dried, e nosso novo guitarrista Alexi Charalampous compôs a última música para o álbum, que foi Ode To A Failure. Nós gostamos muito do material, então decidimos arriscar com um produtor que gostamos muito do trabalho dele. Estou falando de Rhys Fulber (N.R: Fear Factory, Paradise Lost, mas também bandas não Metal como Delerium e Conjure One). Ele absolutamente amou o álbum e o mixou por metade do valor que cobrava normalmente, pois sabia que não tínhamos uma gravadora para nos apoiar. Eu ouvi este álbum novamente há alguns dias e ainda acho muito pesado emocionalmente, e acho que a composição é muito boa. 

O segundo álbum, In Flood é considerado como um grande passo em frente para a banda, e um clássico para o metal grego moderno. Conte-nos sobre suas inspirações e aspirações no passado. 

Terry: In Flood foi realmente um grande passo em frente para nós tanto musicalmente, mas também em termos de sucesso. Foi um passo lento, porque novamente fizemos tudo sozinhos, mas quando o círculo do álbum fechou, fizemos nossos primeiros bolsões de fãs na Europa e na América do Sul, já que fizemos uma turnê lá pela primeira vez! Musicalmente, estávamos ouvindo bandas como Soilwork, In Flames, Trivium, 30 Seconds To Mars, Katatonia e Amorphis na época e com certeza essas foram nossas principais influências para este álbum. Tivemos a chance de fazer três turnês antes de compô-lo, então ficamos mais experientes. Percebemos que algumas músicas do primeiro álbum não funcionavam muito bem ao vivo, então decidimos ter isso em mente ao compor In Flood. Até hoje, eu acho este álbum muito bom, não há nenhuma música que eu não goste, e tenho um lugar especial no meu coração para o cover que fizemos para a música do Depeche Mode, Walking In My Shoes. Estávamos perto de assinar com a Napalm Records para este álbum também, mas isso não aconteceu e isso foi um grande golpe para mim. Então, no final, nós lançamos com a Scarlet Records novamente. Eles fizeram tudo o que podiam, mas não foi suficiente e sentimos que o álbum “se perdeu” um pouco, porque não teve uma promoção adequada. É uma pena, mas é o que é, a vida continua e não ficamos no passado! 

Inertia – Napalm Records – IMP

Bem, o novo álbum é mais uma vez um enorme passo em frente. Até o título parece diferente, Inertia. Sabemos que também é o título da segunda faixa, então qual é a história por trás do título, e o que isso significou no contexto de todo o álbum? 

Terry: Inertia foi uma das primeiras músicas que foi composta para o novo álbum. Veio na época em que as coisas eram selvagens na Grécia. É uma música agressiva, mas também com muitas melodias, então as pessoas podem se relacionar com ela! Ele fala sobre o fato de que os governos querem ter seus cidadãos entorpecidos e que eles nunca reajam a qualquer coisa monstruosa que eles façam. Eles nos alimentam com pílulas e programas de TV estúpidos, a fim de nos hipnotizar e nunca reagir! Foi a música de abertura, então esta define o clima para todo o álbum. Em termos de música, foi um passo em frente, por isso queríamos apanhar de surpresa as pessoas que nos conheciam, porque não esperavam esta música da nossa parte, muito menos ser a faixa-título! Queríamos dar um golpe de áudio nessas pessoas e atrair sua atenção. Eu acho que o vídeo para ela é a melhor coisa que já fizemos, e faz justiça à música. 

Agora eu gostaria que você comentasse minha música favorita no álbum,  Quantum Leap Zero I: Torque Control. Há muitas coisas acontecendo, é uma música prog e atmosférica, cheia de belos vocais e linhas de guitarra cativantes. Qual é a história dessa música? 

Terry: É definitivamente a música mais prog do álbum e um link para o nosso passado, por assim dizer. Pelo menos é assim que vemos. A música começou quando um dia nosso amigo muito próximo Bob Katsionis (ex-Firewind) nos enviou uma parte da música que compôs dizendo para mim: “eu compus isso, soa como Scar Of The Sun para mim, então pegue e faça o que quiser com ela, use-o ou jogue-o fora!”. Nós gostamos muito, então trabalhamos nela, mudamos um pouco e adicionamos tudo o que precisávamos adicionar para completá-la. Passa por várias emoções e eu gosto muito também. Isso me deu a chance de usar diferentes tipos de vocais para enriquecê-la, e eu me diverti muito gravando-a. Foi muito difícil mixá-la porque tem muitos elementos, então eu comecei com esta música, a fim de cobrir tudo o que eu poderia precisar enfrentar neste álbum. Estou muito feliz que você gostou tanto, bem como os vocais que é o meu principal dever, é claro. 

Por favor, dê meus cumprimentos para quem escreveu o solo de guitarra no final desta música (Quantum Leap Zero I: Torque Control). Ele realmente se encaixa na música, e soa bastante natural. É um trabalho árduo e demanda certa experiência manter as habilidades técnicas no limite do “realmente necessário” para a música, sem extrapolar. 

Terry: Acabei de dizer ao Greg o que você disse sobre seu solo, e ele te agradece muito, (risos). Greg é um grande guitarrista tecnicamente, mas também como compositor. Ele compôs todas as músicas deste álbum, exceto Inertia, e posso dizer que no estúdio é muito rápido no processo de gravação também. É muito importante ser capaz de compor música e não apenas ser técnico. Eu ouvi muitos músicos que são tão bons para seus instrumentos, mas eles não podem compor uma boa música. Isso é um problema para mim, porque embora eu admire a boa técnica, o que resta é uma boa canção. Então a gente sempre tenta compor músicas boas e não apenas colocar riffs seguidos até o fim. O arranjo também é muito importante. Acho que Torque Control tem tudo isso, e é o estilo que gostamos de compor: técnico, mas também emocional! 

Muito obrigado por esta entrevista. 

Terry: Obrigado a você por nos dar todo esse apoio, em primeiro lugar! Nós realmente amamos o Brasil e nos divertimos muito há 4 anos, quando tocamos em São Paulo. Foi realmente o melhor show dessa turnê para nós e posso garantir que toda a banda quer voltar aí o mais rápido possível! 

Compartilhe:
Follow by Email
Facebook
Twitter
Youtube
Youtube
Instagram
Whatsapp
LinkedIn
Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS

EXCLUSIVAS

ROADIE CREW #278
Janeiro/Fevereiro

SIGA-NOS

43k

57k

17,4k

1k

22,3k

Escute todos os PodCats no

PODCAST

ROADIE SHOP

SIGA-NOS

Cadastre-se em nossa NewsLetter

Receba nossas novidades e promoções no seu e-mail

Copyright 2024 © All rights Reserved. Design by Diego Lopes