fbpx
Previous slide
Next slide
Previous slide
Next slide

SLASH lança novo álbum solo, ‘Orgy of the Damned’, e clipe em parceria com DEMI LOVATO

Saiba todos os detalhes do álbum e confira depoimentos de Slash para cada música

O icônico guitarrista e compositor vencedor do GRAMMY® Slash, lançou na última sexta-feira, 17 de maio, seu tão esperado sexto álbum solo, intitulado Orgy of the Damned, via Gibson Records. Orgy of the Damned já está disponível mundialmente em formato digital, vinil e CD.

No mesmo dia, Slash também revelou o terceiro single do disco e um novo vídeo para Papa Was A Rolling Stone com os poderosos vocais da cantora pop Demi Lovato. O vídeo de Papa Was A Rolling Stone retrata Demi Lovato, Slash e sua banda de blues – Johnny Griparic (baixo), Teddy ‘ZigZag’ Andreadis (teclados), Michael Jerome (bateria) e Tash Neal (vocais/guitarra) – gravando a música no estúdio, fundido com imagens históricas e uma energia e vibe cruas dos anos 70, adequadas à música.

Slash é um talento lendário e amigo que conheço há anos, então fiquei empolgada em colaborar com ele novamente para seu projeto”, disse Lovato. “Ele trouxe uma energia incrível quando estávamos no estúdio e reimaginar essa música icônica juntos foi fácil e divertido. Ele tinha uma visão tão clara para a música e sou grata por ele querer honrar minha história. Estou muito orgulhosa do que criamos!”

Assista o clipe colaborativo de Papa Was A Rolling Stone:

Ao celebrar tanto músicas conhecidas quanto aquelas em grande parte desconhecidas, Slash presta uma homenagem nostálgica ao passado, ao mesmo tempo em que revigora as canções com sua inimitável habilidade na guitarra e o espírito de colaboração. Para Orgy of the Damned, o aclamado guitarrista novamente se uniu ao renomado produtor Mike Clink (Guns N’ Roses/Megadeth) e contou com diversos vocalistas convidados no álbum, incluindo Gary Clark JrBilly F. GibbonsChris StapletonDorothyIggy PopPaul RodgersDemi LovatoBrian JohnsonTash NealChris Robinson e Beth Hart, de maneira semelhante ao seu álbum solo autointitulado Slash, de 2010. Para completar sua banda em estúdio e na estrada, Slash se reuniu com dois de seus colegas de banda de sua formação Blues Ball nos anos 90, o baixista Johnny Griparic e o tecladista Teddy Andreadis, e trouxe o baterista Michael Jerome e o vocalista/guitarrista Tash Neal.
Orgy of the Damned | Capa de Toni Greis

Embora tenha crescido na Inglaterra, a avó americana de Slash o introduziu ao blues desde cedo, e ele se encantou imediatamente com B.B. King. Ao mesmo tempo, seus pais o alimentaram com uma dieta saudável de rock ‘n’ roll britânico dos anos 60, desde The Who até The Kinks. Ao se mudar para Laurel Canyon, Slash se viu cercado por rockers e cantores folclóricos como Joni MitchellCrosby, Stills & Nash e Neil Young, todos os quais eventualmente inspiraram sua maneira de tocar e compor. Foi apenas quando começou a tocar guitarra que Slash percebeu que todos os seus músicos favoritos haviam sido influenciados pelos mesmos discos de blues de B.B. King, que ele ouvia quando criança.

Orgy of the Damned abrange uma ampla gama de estilos dentro do gênero blues, indo desde uma interpretação animada e barulhenta de Crossroads de Robert Johnson até uma versão plangente e vibrante de Stormy Monday de T. Bone Walker. Algumas das músicas, como The Pusher do SteppenwolfKey to the Highway de Charlie Segar e Born Under a Bad Sign de Albert King, foram apresentadas pela Blues Ball de Slash, enquanto outras como Living for the City de Stevie Wonder, eram favoritas de longa data de SlashHoochie Coochie Man, escrita por Willie Dixon e famosa por Muddy Waters em 1954, destaca a natureza espontânea e a energia irrestrita de Orgy of the Damned, com Billy F. Gibbons do Z.Z. Top assumindo guitarra e vocais. O grupo entrou em uma sala de ensaios em North Hollywood e começou a criar interpretações ‘soulful’ e animadas das músicas clássicas. Tudo foi tocado ao vivo na sala, com ênfase na improvisação, resultando em uma coleção de músicas dinâmicas, energizadas, imediatas e distintamente familiares.

Ao considerar os vocalistas, Slash abordou seu velho amigo e colaborador, Iggy Pop, que há muito tempo desejava gravar uma música de blues. Pop sugeriu a faixa Awful Dream de Lightnin’ Hopkins, de 1962, uma canção esparsa e arrastada originalmente gravada em violão acústico. A dupla decidiu recriar aquela vibe despojada e gravou sua própria versão lânguida e emocionalmente ressonante, sentados em dois banquinhos no estúdio de Slash“A interpretação de Iggy para essa música é realmente sublime”, opina Slash. “E é algo que ninguém realmente ouviu dele. No final da faixa, você pode ouvi-lo apenas cantando as partes de gaita.”

Em outras partes de Orgy of the DamnedDemi Lovato empresta sua poderosa voz para Papa Was a Rollin’ Stone, uma versão fervorosa e soulful do single de 1972 do The Temptations que Slash admirava quando criança. Embora a música se incline mais para o R&B, o guitarrista queria dar à ela sua própria interpretação apaixonada. O álbum termina com um número instrumental original envolvente, Metal Chestnut, escrito especificamente para Orgy of the Damned por Slash.

Orgy of the Damned destaca um aspecto menos conhecido da habilidade musical de Slash. Embora sempre tenha abraçado uma ampla gama de estilos e gêneros, o álbum oferece uma rara oportunidade de explorar um lado único de sua técnica e trazer à tona uma jornada animada por suas fortes inspirações no blues, que sempre estiveram em segundo plano em sua ilustre carreira.

Para mais informações, acesse www.slashonline.com.

Abaixo, Slash dá uma descrição completa das músicas e das colaborações com artistas em Orgy of the Damned:

  1. The Pusher  com Chris Robinson dos The Black Crowes nos vocais e gaita / Escrita por Wayne Hoyt Axton.
Slash:The Pusher é uma velha canção do Steppenwolf. Sim, eu sempre amei Steppenwolf, mas eu gosto particularmente dessa música, e era uma música que costumávamos tocar no Slash’s Blues Ball nos anos 90. Eu definitivamente queria trazê-la de volta e é um bom exemplo de uma música que não é um blues padrão. É uma espécie de canção de rock and roll dos anos 60 sobre drogas. De qualquer forma, tive a ideia de fazer isso e Chris Robinson foi o primeiro cara que eu trouxe para o estúdio, e ele estava totalmente disposto a fazer. Ele veio ao estúdio e trouxe sua gaita e fizemos três takes diferentes, todos completamente diferentes, e ele tocou a gaita e cantou ao vivo. Escolhemos o que mais gostamos e foi isso.”

2.   Crossroads – com Gary Clark Jr. nos vocais, guitarra base e solo / Escrita por Robert Leroy Johnson.

Slash: “Originalmente, havíamos falado sobre fazer a versão de Robert Johnson dessa música, o que seria uma abordagem diversa, mas quando comecei a trabalhar nela, percebi que queria fazer uma versão mais elétrica. Então, comecei a seguir mais a linha da versão ao vivo do Cream. É definitivamente mais influenciada pelo Cream e pelo som deles. Conheci Gary Clark Jr. há alguns anos, e ele é provavelmente um dos melhores jovens guitarristas de blues que surgiram em muito tempo, um guitarrista e vocalista cheio de alma e emoção. Gary veio ao estúdio e mantivemos toda a versão ao vivo com nossa banda de blues, e então ele fez um vocal incrível.”

3.   Hoochie Coochie Man – com Billy F. Gibbons do ZZ Top nos vocais, guitarra base e solo / Escrita por Willie Dixon

Slash“Esta é uma das músicas mais sensuais… Bem, todo o material do Muddy Waters é. Uma das grandes coisas sobre Muddy Waters é que havia uma certa qualidade sexual em sua voz, seu tom e sua cadência. Então ele adicionou essa seção rítmica insana que era simplesmente, não sei, não consigo pensar em nenhuma música que realmente (desculpe meu francês), mas que você queira transar mais. De qualquer forma, eu queria fazer um cover dessa música em particular, mas de uma maneira única… Porque é um riff comumente tocado e tantas pessoas têm sua própria interpretação dessa música muito, muito simples. É um ritmo e um certo tipo de padrão muito simples de três notas. Fizemos uma versão que estava o mais próximo possível da vibração original que a coisa do Muddy Waters tinha. Nosso baterista que tocou nesse álbum é Michael Jerome, e ele tem esse groove realmente bom e foi o baterista perfeito para conseguir montar isso. Quando a música estava basicamente pronta, eu sempre pensei no Billy Gibbons para os vocais. Eu procurei o Billy e ele adicionou os vocais e um pouco de guitarra em um estúdio em Palm Springs. Foi assim que tudo se juntou. É uma faixa muito ao vivo, com um som bem cru, o que é muito legal. Parece que você está em um bar em algum lugar. Eu tive Les Stroud tocando harmônica. Ele é um amigo meu e sempre falava sobre tocar harpa e, ao que parece, ele é um harpista realmente muito talentoso. Então, Les veio ao nosso estúdio e colocou a harpa na música.”

4.   Oh Well – com Chris Stapleton no vocal / Escrita por Peter Alan Green

Slash“Então, este é o Fleetwood Mac original, que foi fundado por Peter Green, um dos maiores cantores, compositores e guitarristas. Ele é menos conhecido pelo público, mas muito bem conhecido por nós, guitarristas, no que diz respeito ao blues britânico dos anos 60. Ele está no mesmo nível de Eric Clapton, Jeff Beck e Mick Taylor. Ele teve uma má experiência com drogas e desapareceu no início de sua carreira, mas ele escreveu algumas músicas incríveis, e Oh Well é uma das minhas favoritas. Lembro-me de ouvir a música no rádio quando eu tinha provavelmente 13 anos; eles costumavam tocar tanto a versão antiga do Fleetwood Mac quanto a nova versão da banda com Stevie Nicks e Lindsey Buckingham. Sempre adorei essa música, e é um ótimo riff de guitarra. Eu toquei essa música com o Blues Ball nos anos 90, e a toquei ao vivo aqui e ali. Desde o início, eu sabia que queria fazer essa música neste álbum. Também era uma das músicas que eu estava tentando descobrir quem seria o vocalista certo para ela, e uma das ideias que tive foi Chris Stapleton, que é um dos mais brilhantes cantores e compositores de hoje. Ele também tem uma voz tão áspera e distinta, então liguei para ele e ele fez um trabalho incrível. Quero dizer, a voz dele é muito legal.”

5.  Key to the Highway – com Dorothy nos vocais / Escrita por Charles Segar William Broonzy

Slash: “Esta é uma das músicas padrão do blues que eu tenho tocado com Johnny e Teddy na nossa banda de blues desde que nos juntamos, lá por volta de 1997 ou talvez 1996. Foi a primeira música na minha lista de músicas para fazer neste álbum. A original foi feita por Freddie King, e nós nos mantivemos bastante fiéis ao arranjo original. Aumentamos um pouco o tempo só para fazer a música agitar um pouco mais. É uma progressão de blues um, quatro, cinco, muito aberta, mas com um pouco de balanço. É uma música muito legal. Então eu chamei a Dorothy, que é uma ótima cantora americana de blues e rock, com uma voz rouca e cheia de alma, para cantar. Dorothy veio e fez um trabalho incrível. Existem muitas versões diferentes da música por aí, então eu enviei para ela algumas das que eu gostava, e ela criou sua própria versão da abordagem vocal para a música e ficou incrível.”

6.   Awful Dream – com Iggy Pop no vocal / Escrita por Sam(Lightnin’) Hopkins, Clarence Lewis, C. Morgan Robinson

Slash: “Ah, essa é uma história interessante. Quando reuni a banda de blues novamente, eu tinha uma ideia para a atmosfera geral e os vocalistas na minha cabeça para o conjunto todo, e à medida que passávamos de música para música, encontrávamos o ajuste certo. Em nossas conversas sobre cantores, Iggy Pop é alguém de quem sou amigo e trabalhei por muitos anos, e realmente tenho a maior admiração e respeito por ele. Johnny, nosso baixista, mencionou que Iggy disse em uma entrevista que gostaria de fazer algo no gênero blues. Eu nunca tinha ouvido isso, então liguei para Iggy e conversamos sobre o álbum. Como eu ainda não tinha uma música reservada para ele, perguntei se havia uma música específica que ele gostaria de fazer, e ele disse Awful Dream, de Lightnin’ Hopkins. Ouvindo a faixa original, eu imagino que seja Lightnin’ Hopkins sentado em um banquinho com um violão acústico com captação, uma versão muito antiga e primitiva de um violão elétrico-acústico, e então há alguém ao fundo tocando uma bateria bem solta, e dá para perceber que é uma gravação quase improvisada feita em uma única tomada. Então, eu aprendi de forma bem livre essa versão. Iggy veio para o meu estúdio em Los Angeles, e nós simplesmente sentamos, ele em um banquinho e eu em outro, e chamei meu mano, Michael Jerome, para tocar bateria, e simplesmente gravamos ao vivo. Então, é realmente muito legal e espontâneo. A interpretação de Iggy dessa música é realmente sublime. E acho que é algo que ninguém jamais ouviu dele. E tem algo legal no final da faixa. Estamos apenas tocando o vampiro e eu estou com meus fones de ouvido e ouço algo que parece uma gaita, então viro e é o Iggy cantando as partes da gaita. É realmente legal. Então, sim, foi um momento muito especial no álbum.”

7.   Born Under a Bad Sign – com Paul Rodgers no vocal / Escrita por William Bell Booker T. Jones

Slash“Uma das minhas músicas favoritas de Albert King de todos os tempos e um dos riffs de blues rock mais legais que eu cresci ouvindo, Born Under a Bad Sign foi uma escolha óbvia e fizemos nossa própria versão dela e criamos nosso próprio arranjo. Depois, Paul Rogers, que é alguém com quem já trabalhei antes e é um bom amigo, veio para o estúdio. Você sabe, ele tem a voz de blues mais incrível, ele é alguém que todo mundo na Inglaterra dos anos 60 admirava. Paul é um dos principais vocalistas de blues, ele estava no Free e depois fez parte do Bad Company, e depois disso fez um monte de coisas diferentes. Perguntei a ele se ele gostaria de cantar, e ele fez um trabalho incrível. Nem consigo dizer trabalho incrível – é simplesmente perfeito.”

8.   Papa Was a Rolling Stone – com Demi Lovato no vocal / Escrita por Barrett Strong e Jesse Norman Whitfield

Slash“Esta música é a mais fora do comum para um álbum de covers de blues, porque é uma música do The Temptations, que é realmente R&B. De 1972, cresci ouvindo essa música e ela foi muito popular no início dos anos 70, quando eu era criança. É uma música legal, e uma aventura por si só. A versão original é muito longa, tipo, 10 minutos ou até mais. E tem um arranjo instrumental incrível. Quero dizer, a música inteira é incrível. Costumávamos improvisar ela nos anos 90 com outra banda que eu tinha chamada Snakepit, na qual Johnny Griparic, nosso baixista, também estava. Então, eu definitivamente queria que a Demi cantasse essa música porque o assunto da música é basicamente sobre os hábitos desagradáveis de um pai ausente que eventualmente falece, e os filhos estão perguntando à mãe sobre isso, tipo, ‘O que é isso sobre nosso pai que nunca conhecemos, e ouvimos todas essas histórias sobre?’. É um assunto muito sombrio e pessoal, portanto, quem canta não pode simplesmente fazer um cover por fazer, eles têm que ser capazes de se relacionar com isso de alguma forma. Sou amigo da Demi Lovato há alguns anos e queria uma voz feminina forte para cantar. Ela tem essa voz jovem e poderosa que tem esse tipo de entrega, não totalmente inocente, mas definitivamente uma qualidade quase infantil. Pedi a ela para cantar porque a Demi teve algumas histórias interessantes em seu passado e ela adorou a ideia. Eu não tinha ideia de como ela reagiria à pergunta, mas ela realmente entendeu e se relacionou com a música. Demi veio e fez um trabalho incrível. Foi realmente muito divertido fazer essa música com ela.”

9.   Killing Floor com Brian Johnson do AC/DC no vocal / Escrita porChester Burnett (Howlin’ Wolf) – com o convidado especial Steven Tyler do Aerosmith na gaita

Slash“Killing Floor” é de Howlin’ Wolf, um dos gigantes do blues americano. Ele tinha um estilo e som muito legais e únicos, e “Killing Floor” é apenas uma de suas músicas mais conhecidas. Ela foi coverizada várias vezes, mas é um ótimo riff de guitarra e tem um groove sólido, e eu sempre quis fazer um cover dela. É um arranjo um pouco diferente do original, na verdade é uma combinação de duas de suas músicas, é “Killing Floor” e depois há um toque de um riff de guitarra de “Spoonful” também, dois dos meus riffs favoritos. Tentando descobrir quem cantaria, eu queria alguém que tivesse uma voz legal e grave para isso. E Brian Johnson do AC/DC foi o primeiro que me veio à mente, e ele disse: ‘Sim, venha aqui e vamos fazer isso’. Eu fui para a Flórida com meu produtor e o Brian arrasou com uma versão matadora de ‘Killing Floor’. Em vez de fazer com sua característica voz do AC/DC, ele fez uma oitava abaixo. O que é ótimo porque é assim que a música é realmente. Se ele a tivesse cantado de outra forma, provavelmente seria melhor se fosse feita pelo AC/DC, então funcionou muito bem. Steven Tyler do Aerosmith veio para o estúdio em Los Angeles e eu toquei para ele, e ele quis participar. Então, ele pegou sua gaita e pulou para o estúdio e tocou nela. Foi muito espontâneo e ótimo. Ele meio que tem um vocal ali. Ele grita entre tocar a gaita, é muito legal. Definitivamente capturou um momento e eu saí orgulhoso por ter conseguido isso.”

  1. Living for the City – com Tash Neal nos vocais / Escrita por Stevie Wonder – com backing vocals de Jenna Bell Jessie Payo

Slash:Living for the City é uma música de Stevie Wonder, e outra música com a qual cresci. Houve um período na minha infância em que Stevie Wonder definitivamente era a música de fundo, e era tudo o que minha mãe tocava. Living for the City era uma das minhas músicas favoritas, e ficou comigo. Liricamente, há coisas diferentes acontecendo naquela música, uma história sendo contada, e depois, no final da música, musicalmente ela se desfaz e entra no som da cidade de Nova York, e o protagonista principal da história é preso. Isso me deu uma imagem visual na minha mente e sempre ficou comigo. A parte divertida de fazer este álbum foi que pudemos fazer o que quiséssemos. Nos anos 90, fizemos uma versão de Superstition de Stevie Wonder, e eu não queria fazer isso porque essa música já foi tocada até a exaustão. Então, a ideia de fazer uma música de Stevie Wonder não foi tipo, ‘Oh, temos que fazer uma música do Stevie Wonder‘. Eu disse, ‘Bem, vamos fazer outra música que eu gostava’. Reduzimos um pouco o arranjo, então é um pouco mais curta que a original. Não tentamos emular os sons da cidade ou fazê-la soar como a versão original. Mas Tash Neal, que canta e toca guitarra em todo o álbum e na turnê que está por vir, fez um trabalho incrível cantando essa música. Então, sim, estou muito feliz com isso. É definitivamente algo, e se Papa Was A Rolling Stone foi inesperada, esta música será ainda mais.”

11.   Stormy Monday Beth Hart no vocal / Escrita por T-Bone Walker

Slash“Esta é uma das famosas músicas padrão de blues, e acredito que a maioria das pessoas esteja familiarizada com a versão de Etta James, que foi dos anos 60. Houve muitas versões desta música, mas sempre fui muito impressionado pela versão de Etta James, então foi uma música que sabia que queria fazer. Os Allman Brothers também fizeram uma ótima versão, e tocamos isso nos anos 90 com o Blues Ball, e eu adorava improvisar nela e coisas do tipo. Imediatamente pensei em Beth Hart, que é uma vocalista de blues americana incrível e tem estado por aí há algum tempo. Todos adoram tocar com Beth porque ela é essa vocalista feminina ferocemente emocional que simplesmente coloca tudo na mesa quando canta. Pedi a ela para fazer isso e ela disse: ‘Sim, adoraria fazer, mas vamos fazer em menor em vez de maior, que é o original.’ Então isso levou a música para uma cor totalmente diferente, e torna nossa versão muito original, mas também muito, muito eficaz. Ela veio e fez essa música em uma tomada e desabou no chão quando terminou. Foi exatamente quando estávamos no estúdio, fazendo a parte técnica ao vivo naquela primeira semana. Estamos lá e ela chega, acho que a banda tinha tocado a música uma vez sozinha, e então Beth chegou, e entramos nela. E foi isso, sabíamos que não conseguiríamos superar aquela primeira tomada fenomenal com ela.”

12.   Metal Chestnut Escrita por Slash

Slash“Não é um cover e ninguém está cantando. Metal Chestnut é um instrumental e eu o escrevi especificamente para Orgy of the Damned porque Mike Clink, nosso produtor, disse: ‘Bem, ei, você não tem nada que tenha escrito para o álbum.’ Nem tinha pensado nisso, então fui para casa, escrevi algo e trouxe de volta e comecei a tocar a música com a banda. É apenas uma melodia muito simples que se juntou rapidamente e organicamente. Não foi forçado, mas eu não tinha especificamente em mente escrever algo. Escrevi essa rapidamente e depois coloquei as guitarras nela no meu estúdio. É uma peça muito honesta e emocional.”

Siga o canal “Roadie Crew” no WhatsApp:

https://whatsapp.com/channel/0029VaDAMivHQbSBJR6hmy45

Compartilhe:
Follow by Email
Facebook
Twitter
Youtube
Youtube
Instagram
Whatsapp
LinkedIn
Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS

EXCLUSIVAS

ROADIE CREW #280
Maio/Junho

SIGA-NOS

45,3k

57k

17,3k

990

22,7k

Escute todos os PodCats no

PODCAST

ROADIE SHOP

SIGA-NOS

Cadastre-se em nossa NewsLetter

Receba nossas novidades e promoções no seu e-mail

Copyright 2024 © All rights Reserved. Design by Diego Lopes

plugins premium WordPress