fbpx
Entrevistas

TURISAS

UMA GRANDE AVENTURA FOLK METAL

Durante a criação da edição 187 de agosto, que tem em destaque uma matéria sobre o Folk Metal, conversamos com Mathias Nygård do Turisas. Confira o que o músico acha do estilo e os próximos passos da banda.

Você acredita Bathory é a primeira banda de Pagan/Folk Metal na cena? Ou Skyclad fez isso primeiro?
Mathias Nygård: 
Eu nunca estive muito preocupado com cenas ou gêneros. Eu acho que os artistas devem se concentrar em sua arte e na definição de movimentos. Quando se trata de influência pessoal, nem Bathory ou Skyclad teve uma influência muito grande sobre o Turisas. Eu estava ciente das bandas e de seu material e cheguei a escutar alguns álbuns Bathory, mas para mim bandas como Amorphis, e um pouco mais tarde Einherjer, teve um impacto muito maior na exploração de temas pagãos e folclóricos da nossa própria música.

Você acha que bandas como Led Zeppelin e Manowar já tinham explorado temas pagãos nas décadas 70 e 80?
Mathias: 
Eu acho que não há dúvida sobre isso. Também bandas progressivas dos anos ​​60-70 fizeram isso, por exemplo, Jethro Tull, que são também uma das minhas influências. Os chamados “temas pagãos” muitas vezes se sobrepõem muito com o movimento romântico e algo familiar pode ser visto na arte da década de 1930 e todo o caminho de volta na ascensão do romantismo na segunda metade do século 19. Cada geração tem por base o anterior, e agora há bandas influenciadas por nós, que podem não estar familiarizadas com as bandas que nos influenciaram.

Como você vê a cena do Folk Metal hoje em dia?
Mathias:
 Muito chato. Eu acho que muitas bandas estabelecidas estão tocando de forma muito segura apenas para fornecer a crescente demanda, em vez de tentar ser progressista e inovador da mesma forma como quando as bandas começaram a tocar esse estilo. Muitas das bandas mais jovens estão se concentrando demais em copiar as suas influências. Por um longo tempo eu estive esperando por uma nova banda na cena de Folk Metal, mas quem fez algo novo e fresco? Infelizmente, eu ainda estou esperando.

De onde você tira suas ideias para escrever as letras do Turisas?
Mathias: 
A maioria de nossas letras sempre tiveram dois ângulos: o de nível histórico que nos álbuns anteriores tem sido o lado mais dominante, e o pessoal de ângulo contemporânea que lida com as coisas que são atemporais e relacionáveis ​​para o ouvinte moderno ou mesmo falar diretamente para as questões contemporâneas que acontecem no mundo, no momento que escrevo. No álbum 2013 ambos os lados ainda estão presentes, mas o equilíbrio foi alterado em favor do contemporâneo – assim como o título do álbum sugere.

Vocês têm planos para um novo álbum em 2014?
Mathias:
 Não. Desde que o álbum mais recente foi lançado em agosto do ano passado, nós estivemos constantemente em turnês. Agora estou ansioso para os festivais de verão. Para mim, é impossível ser criativo, se estamos ocupados e eu acho que é saudável ter algum tempo entre os lançamentos para ser capaz de desenvolver ideias corretamente. Eu sinto que nós não temos nenhuma pressão para liberar um novo CD. Posso garantir que não teremos algo antes de 2015 ou 2016.

Como foi o show no Hellfest 2014?
Mathias: 
Hellfest foi incrível! A grande tenda que tocamos estava absolutamente lotada. Os fãs estavam incríveis e com muita energia, bem como a banda mesmo com alguns problemas técnicos​. O concerto foi transmitido ao vivo pela ARTE e eu acho que você ainda pode vê-lo on-line no site deles. Eu estava até meio preocupado em assistir depois o show, pois no palco o som estava estranho, mas no final ficou bem interessante e deu para notar que a banda estava atuando de forma muito profissional para entregar algo de muita qualidade, mesmo que realmente não podia ouvir a nós mesmos no palco.

Recomendamos Para Você

Fechar
Fechar