fbpx
Previous slide
Next slide
Previous slide
Next slide

SLASH anuncia álbum de covers de blues, “Orgy of the Damned”; veja o clipe de “Killing Floor”, com STEVEN TYLER e BRIAN JOHNSON

O icônico Slash anunciou seu novo álbum solo. Intitulado Orgy of the Damned, o disco será lançado no dia 17 de maio pela Gibson Records e já está disponível para pré-encomenda aqui. O disco reúne uma coleção de 12 músicas dinâmicas que agitam e revitalizam clássicos do blues com uma abordagem despojada e instintiva. O novo álbum de Slash, Orgy of the Damned, cria uma expressão singular que presta homenagem ao blues.

O primeiro single, Killing Floor, que conta com Brian Johnson do AC/DC nos vocais e Steven Tyler do Aerosmith na gaita, é uma interpretação eletrizante, barulhenta e alegremente desenfreada do clássico de blues de Chicago de 1964, composta por Howlin’ Wolf;

Killing Floor é uma de minhas músicas favoritas de Howlin’ Wolf, mas também um dos riffs de blues icônicos que me inspiraram quando eu era jovem como guitarrista. Eu sempre quis fazer uma versão dela de alguma forma, e este álbum foi o veículo perfeito. Mas tocar com essa banda, e com Brian Johnson nos vocais, foi uma realização que eu nunca teria imaginado naquela época. Sem falar do Steven Tyler tocando gaita.”, comemora Slash.

“Quando o Slash me pediu para cantar em Killing Floor, eu disse sim imediatamente. Foi uma das primeiras músicas que aprendi na minha primeira banda, e quando ele me mostrou a base, foi uma escolha óbvia, e a gaita do Steven é incrivelmente intensa. Me diverti muito com o Slash no estúdio, e acredito que fizemos justiça à essa ótima música antiga. Viva o rock.”, comenta Brian Johnson.

Assista ao clipe de Killing Floor, com Slash e sua banda de blues, completada por Johnny Griparic (baixo), Teddy Andreadis (teclado), Michael Jerome (bateria) e Tash Neal (vocal e guitarra), gravando a música em estúdio, além dos mencionados convidados ilustres, Brian Johnson Steven Tyler:

Ao celebrar tanto músicas conhecidas quanto aquelas em grande parte desconhecidas, Slash presta uma homenagem nostálgica ao passado, ao mesmo tempo em que revigora as canções com sua inimitável habilidade na guitarra e o espírito de colaboração. Para Orgy of the Damned, o aclamado guitarrista novamente se uniu ao renomado produtor Mike Clink (Guns N’ Roses/Megadeth) e contou com diversos vocalistas convidados no álbum, incluindo Gary Clark Jr, Billy F. Gibbons, Chris Stapleton, Dorothy, Iggy Pop, Paul Rodgers, Demi Lovato, Brian Johnson, Tash Neal, Chris Robinson e Beth Hart, de maneira semelhante ao seu álbum solo autointitulado Slash, de 2010. Para completar sua banda em estúdio e na estrada, Slash se reuniu com dois de seus colegas de banda de sua formação Blues Ball nos anos 90, o baixista Johnny Griparic e o tecladista Teddy Andreadis, e trouxe o baterista Michael Jerome e o vocalista/guitarrista Tash Neal.

Orgy of the Damned | Capa de Toni Greis

Embora tenha crescido na Inglaterra, a avó americana de Slash o introduziu ao blues desde cedo, e ele se encantou imediatamente com B.B. King. Ao mesmo tempo, seus pais o alimentaram com uma dieta saudável de rock ‘n’ roll britânico dos anos 60, desde The Who até The Kinks. Ao se mudar para Laurel Canyon, Slash se viu cercado por rockers e cantores folclóricos como Joni Mitchell, Crosby, Stills & Nash e Neil Young, todos os quais eventualmente inspiraram sua maneira de tocar e compor. Foi apenas quando começou a tocar guitarra que Slash percebeu que todos os seus músicos favoritos haviam sido influenciados pelos mesmos discos de blues de B.B. King, que ele ouvia quando criança.

Orgy of the Damned abrange uma ampla gama de estilos dentro do gênero blues, indo desde uma interpretação animada e barulhenta de Crossroads de Robert Johnson até uma versão plangente e vibrante de Stormy Monday de T. Bone Walker. Algumas das músicas, como The Pusher do Steppenwolf, Key to the Highway de Charlie Segar e Born Under a Bad Sign de Albert King, foram apresentadas pela Blues Ball de Slash, enquanto outras como Living for the City de Stevie Wonder, eram favoritas de longa data de Slash. Hoochie Coochie Man, escrita por Willie Dixon e famosa por Muddy Waters em 1954, destaca a natureza espontânea e a energia irrestrita de Orgy of the Damned, com Billy F. Gibbons do Z.Z. Top assumindo guitarra e vocais. O grupo entrou em uma sala de ensaios em North Hollywood e começou a criar interpretações ‘soulful’ e animadas das músicas clássicas. Tudo foi tocado ao vivo na sala, com ênfase na improvisação, resultando em uma coleção de músicas dinâmicas, energizadas, imediatas e distintamente familiares.

Ao considerar os vocalistas, Slash abordou seu velho amigo e colaborador, Iggy Pop, que há muito tempo desejava gravar uma música de blues. Pop sugeriu a faixa Awful Dream de Lightnin’ Hopkins, de 1962, uma canção esparsa e arrastada originalmente gravada em violão acústico. A dupla decidiu recriar aquela vibe despojada e gravou sua própria versão lânguida e emocionalmente ressonante, sentados em dois banquinhos no estúdio de Slash. “A interpretação de Iggy para essa música é realmente sublime”, opina Slash. “E é algo que ninguém realmente ouviu dele. No final da faixa, você pode ouvi-lo apenas cantando as partes de gaita.”

Em outras partes de Orgy of the Damned, Demi Lovato empresta sua poderosa voz para Papa Was a Rollin’ Stone, uma versão fervorosa e soulful do single de 1972 do The Temptations que Slash admirava quando criança. Embora a música se incline mais para o R&B, o guitarrista queria dar à ela sua própria interpretação apaixonada. O álbum termina com um número instrumental original envolvente, Metal Chestnut, escrito especificamente para Orgy of the Damned por Slash.

Orgy of the Damned destaca um aspecto menos conhecido da habilidade musical de Slash. Embora sempre tenha abraçado uma ampla gama de estilos e gêneros, o álbum oferece uma rara oportunidade de explorar um lado único de sua técnica e trazer à tona uma jornada animada por suas fortes inspirações no blues, que sempre estiveram em segundo plano em sua ilustre carreira.

Orgy of the Damned também estará disponível em vinil e em CD.

Para mais informações, acesse www.slashonline.com.

Tracklist completo de Orgy of the Damned:

1.   “The Pusher” feat. Chris Robinson (vocal e gaita) 

Escrita por Wayne Hoyt Axton

2.   “Crossroads” feat. Gary Clark Jr. (vocal, guitarra base e solo)

Escrita por Robert Leroy Johnson

3.   “Hoochie Coochie Man” feat. Billy F. Gibbons (vocal, rhythm guitar, and solo)

Escrita por Willie Dixon

4.   “Oh Well” feat. Chris Stapleton (vocal)

Escrita por Peter Alan Green

5.   “Key to the Highway” feat. Dorothy (vocal)

Escrita por Charles Segar, William Broonzy

6.   “Awful Dream” feat. Iggy Pop (vocal)

Escrita por Sam (Lightnin’) Hopkins, Clarence Lewis, C. Morgan Robinson

7.   “Born Under a Bad Sign” feat. Paul Rodgers (vocal)

Escrita por William Bell and Booker T. Jones

8.   “Papa Was a Rolling Stone” feat. Demi Lovato (vocal)

Escrita por Barrett Strong and Jesse Norman Whitfield

9.   “Killing Floor” feat. Brian Johnson (vocal)

Escrita por Chester Burnett (Howlin’ Wolf)

*Convidado especial: Steven Tyler na gaita.

10. “Living for the City” feat. Tash Neal (vocal)

Escrita por Stevie Wonder

*Convidadas especiais nos backing vocals: Jenna Bell e Jessie Payo.

11. “Stormy Monday” feat. Beth Hart (vocal)

Escrita por T-Bone Walker

12. “Metal Chestnut”

Escrita por Slash

Foto: Gene Kirkland

Siga o canal “Roadie Crew” no WhatsApp:

https://whatsapp.com/channel/0029VaDAMivHQbSBJR6hmy45

Compartilhe:
Follow by Email
Facebook
Twitter
Youtube
Youtube
Instagram
Whatsapp
LinkedIn
Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS

EXCLUSIVAS

ROADIE CREW #279
Março/Abril

SIGA-NOS

45k

57k

17,3k

989

22,6k

Escute todos os PodCats no

PODCAST

ROADIE SHOP

SIGA-NOS

Cadastre-se em nossa NewsLetter

Receba nossas novidades e promoções no seu e-mail

Copyright 2024 © All rights Reserved. Design by Diego Lopes

plugins premium WordPress